Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.997,40
    -48,72 (-0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Lula terá plano para corte de despesas e controle de gasto com pessoal, diz Wellington Dias

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador eleito Wellington Dias (PT-PI) disse nesta quarta-feira (16) que o novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "certamente" terá um plano de corte de despesas e controle de gastos com pessoal e custeio.

Ele não deu, porém, um prazo para que esse plano seja apresentado e disse que os detalhes estão sendo discutidos pelo grupo técnico de economia da transição de governo --composto por Persio Arida, André Lara Resende, Nelson Barbosa e Guilherme Mello.

"Lula é um presidente que tem muita responsabilidade no controle das contas públicas. Certamente haverá um plano para corte de despesas, haverá um plano para controle de despesas como [com] pessoal, custeio e várias outras, na perspectiva de ter medidas que vão permitindo a gente trazer o endividamento, que se aproxima a 90% do PIB, para um patamar menor", disse Dias.

"Todo esse esforço é parte de uma estratégia que está sendo trabalhada exatamente pelo grupo de economia", acrescentou.

Dias representa a equipe de transição nas negociações do Orçamento de 2023 e atua nas articulações da PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição, cuja minuta foi entregue nesta quarta-feira (16) com a previsão de permitir até R$ 198 bilhões em despesas fora do teto de gastos no ano que vem. O limite, porém, não foi fixado no texto, sendo uma estimativa da equipe de Lula.

Um dos pontos centrais da PEC é a exclusão das despesas com o programa Bolsa Família do alcance do teto. A estimativa é que só esse gasto fique em R$ 175 bilhões.

O modelo prevaleceu apesar dos alertas vindos do mercado financeiro, que vê no tamanho da fatura um risco de descontrole das contas públicas --sobretudo se a medida for adotada de forma permanente.

Mesmo que o prazo fique em quatro anos, a conta que está sendo feita por alguns analistas é que o novo governo terá autorização para gastar R$ 700 bilhões fora do teto no período --valor próximo da economia estimada com a reforma da Previdência, aprovada em 2019 pela atual administração.

Após entregar a minuta da PEC ao Congresso Nacional, o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), buscou minimizar os temores dos investidores. "Nós vamos explicando. O pessoal vai ficar mais tranquilo", disse.

Em meio ao pessimismo do mercado, o economista Persio Arida ressaltou, na terça, que responsabilidades fiscal e social "andam juntas" e que criar "excepcionalidades" e vinculações de despesas não são o melhor caminho para resolver o impasse no Orçamento de 2023. Além de integrar a transição, ele é próximo ao vice eleito e é cotado para ocupar o cargo de Ministro da Fazenda.

Até segunda-feira (14), o grupo da transição ainda não havia tido acesso à PEC, o que foi solicitado à coordenação da transição. Nesta quarta, o grupo já está a par do conteúdo da proposta e devem ter novas reuniões nos próximos dias para analisar o texto e eventualmente oferecer sugestões.