Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.473,56
    +4,37 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Lula sanciona Orçamento de 2023 com vetos de R$4,3 bi em despesas propostas

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assina pacote de medidas econômicas no Palácio do Planalto, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou nesta terça-feira o Orçamento de 2023 com vetos que somam 4,266 bilhões de reais em despesas propostas, além de vetar a previsão de provimento de 512 cargos federais, segundo a Agência Senado.

A peça orçamentária foi aprovada pelo Congresso em dezembro após ser alterada para contemplar as modificações introduzidas pela chamada PEC da Transição, que, entre outras medidas, garantiu a extensão até o final deste ano do pagamento de 600 reais do Bolsa Família.

A maior parte dos recursos vetados, de 4,18 bilhões de reais, seria usado no Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), para ações de fomento à pesquisa, contratos com organizações sociais e obras.

Nesse caso, o Executivo justificou o veto porque haveria um descumprimento da proporção entre operações reembolsáveis e não reembolsáveis, algo que é exigido pela legislação que regulamenta o fundo.

Houve vetos também a despesas do Ministério da Economia, (60 milhões de reais); do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (15 milhões de reais); do Fundo Geral de Turismo (8 milhões de reais); e do Fundo Penitenciário Nacional (250 mil reais).

O presidente vetou ainda a previsão de provimento de 512 cargos, sendo 417 em seis universidades federais de cinco Estados e 95 na Agência Nacional de Mineração (ANM). Outros 1.829 cargos nas mesmas universidades que seriam criados também foram vetados.

A justificativa para o veto aos cargos nas universidades é que essa medida impactaria “significativamente” o planejamento e a gestão do quadro de pessoal permanente do Executivo.

(Da Reportagem local)