Mercado fechado

Lula: Responsabilidade fiscal é importante, mas é preciso investir para melhorar o país

Por Catarina Demony

LISBOA (Reuters) - O presidente-eleito Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado que responsabilidade fiscal é importante, mas que o investimento para melhorar a economia e o bem-estar no país também é.

"Nós sabemos que temos de ter responsabilidade fiscal. Não podemos gastar mais do que a gente ganha. Mas nós sabemos também que a gente pode gastar para fazer alguma coisa que tenha rentabilidade, para fazer o país crescer, melhorar."

Os mercados financeiros no país despencaram nesta semana depois que a equipe de transição de Lula propôs "excepcionalizar" do teto de gastos 175 bilhões de reais para o pagamento do Auxílio Brasil a partir de 2023 no valor de 600 reais, com adicional de 150 reais por criança, sem um prazo determinado. A proposta ainda incluiu autorização para que parte de receitas extraordinárias fique fora do teto e possa ser redirecionada para investimentos, em um limite de 23 bilhões de reais no ano que vem.

Lula minimizou a reação dos mercados à proposta e criticou o mecanismo do teto de gastos.

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, que é um dos principais cotados para assumir o Ministério da Fazenda de Lula, também estava presente no evento em Lisboa.

"Vamos colocar como prioridade o desenvolvimento e a justiça social", disse Haddad. "Temos um desafio interno no Brasil: fazer mais e melhor do que pudemos fazer em outras ocasiões."

Lula afirmou que quer formar um governo com "mais gente da sociedade, de outros partidos" e com os que não têm filiação partidária.

Lula governou o Brasil de 2003 a 2010 e os programas sociais de seu governo tiraram milhões de pessoas da miséria.

O presidente-eleito afirmou que embora seu partido tenha derrotado Jair Bolsonaro na eleição de outubro, as correntes de extrema direita seguem ainda muito ativas no Brasil.

"A gente derrotou o Bolsonaro...Mas o bolsonarismo ainda está vivo e nós precisamos derrotar. Vamos derrotar sem utilizar os métodos que eles utilizaram contra nós. Nós não queremos perseguição, violência. Queremos um país que viva em paz", disse Lula.