Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.865,90
    -50,40 (-2,63%)
     
  • BTC-USD

    23.334,91
    -199,55 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Lula receberá centrais para discutir trabalhadores de apps e salário mínimo

*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. Papel Moeda. Dinheiro. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. Papel Moeda. Dinheiro. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, chamaram as centrais sindicais para uma reunião na quarta-feira (18), às 10h, em Brasília.

As pautas do encontro serão a criação de mesas tripartites (com representantes de governo, trabalhadores e empresários) para tratar dos direitos de trabalhadores de aplicativo e do reforço de mecanismos de negociação coletiva que foram fragilizados durante o governo Jair Bolsonaro (PL).

Além disso, Lula pretende discutir com os sindicalistas o reajuste do salário mínimo. Como mostrou a coluna Painel, da Folha de S.Paulo, as centrais defendem reajuste com base no INPC (estimativa da inflação) e crescimento do PIB (4,6%) de 2021. O salário mínimo hoje é de R$ 1.320.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que a equipe econômica do petista defende que o reajuste fique para maio. As centrais sindicais criticam a possibilidade e esperam a mudança já para janeiro.

No caso dos trabalhadores de aplicativo, tema que apareceu durante a campanha de Lula, Marinho tem feito avaliação de que nem todos desejam ser regidos pela CLT, e então negociará outras formas de garantir mais proteção social a eles, como o cooperativismo. O tema será tratado nessas mesas de negociação tripartite.