Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.941,28
    -4,94 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Lula quer esperar nova diretoria da Petrobras para tomar decisão sobre combustíveis, diz Haddad

Posto de combustível em São Paulo

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta segunda-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer esperar a posse da nova diretoria da Petrobras para tomar uma decisão sobre combustíveis, após o novo governo ter prorrogado a desoneração de combustíveis por dois meses para gasolina e álcool e por um ano para outros insumos.

"Ele quer tomar essa decisão quando a diretoria tomar posse. (...) O presidente pediu isso, porque ele quer discutir isso conjuntamente com a nova diretoria da empresa", disse Haddad a jornalistas após a sua cerimônia de posse, ressaltando o atraso na transição imposto pela lei das estatais.

Medida Provisória publicada nesta segunda reduziu a zero alíquotas de PIS/Cofins para diesel, biodiesel, gás liquefeito de petróleo (GLP) até 31 de dezembro de 2023. A MP também zerou as alíquotas do tributo para gasolina e etanol até 28 de fevereiro de 2023.

Haddad disse, ainda, que na transição o governo eleito pediu ao governo Bolsonaro que se abstivesse de tomar medidas que oneram as contas públicas, mas que o apelo foi ignorado.

Sua estimativa é que medidas adotadas no apagar das luzes de 2022 têm um custo de 10 a 15 bilhões de reais, porque parte delas teriam impedimento legal de serem recompostas imediatamente por se tratarem de uma recomposição tributária.

"A estimativa é entre 10 e 15 bilhões de reais, considerando o que nós imaginamos hoje que é irrecuperável, a não ser que haja uma suspensão das medidas pelo Judiciário", afirmou.

(Por Marcela Ayres)