Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.316,97
    +811,93 (+1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Em pronunciamento, Lula deve evitar tom eleitoral e denunciar erros de Bolsonaro na pandemia e na economia

·1 minuto de leitura
Foto: LEO MALAFAIA/FOLHA DE PERNAMBUCO/AFP via Getty Images
Foto: LEO MALAFAIA/FOLHA DE PERNAMBUCO/AFP via Getty Images

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falará publicamente pela primeira vez nessa quarta-feira (11) depois de recuperar seus direitos políticos com a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), de anular as condenações contra o petista na 13ª Vara Federal de Curitiba. 

Mesmo com toda a discussão sobre uma possível candidatura do petista nas eleições presidenciais de 2022, Lula deve evitar mencionar uma eventual disputa eleitoral. De acordo com apuração do "O Globo", ex-presidente se reuniu com dirigentes dos partidos de esquerda e centro-esquecer e os convidou para participar do evento, que será na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista, em São Bernardo do Campo, berço político do ex-presidente.

Leia também

Ainda conforme apuração do veículo, mesmo depois da vitória concedida por Fachin, Lula quer focar nos problemas enfrentados pelo país, que vive o pior momento da pandemia do novo coronavírus. O ex-presidente teria optado por evitar um tom eleitoral ao avaliar que isso favoreceria Jair Bolsonaro (sem partido), pressionado pela condução errática e negacionista da crise sanitária. 

De acordo com "O Globo", qualquer menção a uma provável candidatura do petista em 2022 está descartada no pronunciamento que deve começar às 11 da manhã desta quarta.

Segundo um aliado ouvido pelo veículo, Lula deve adotar tom de união para denunciar problemas enfrentados pelo Brasil tanto na Saúde como na economia. Fortalecido por possuir seus direitos políticos novamente, ele estaria se sentindo "legitimado" para assumir esse papel.