Mercado fechado

Lula defende Petra Costa no Twitter: 'Bolsonaro age à revelia da verdade'

O ex-presidente saiu em defesa da diretora no Twitter (Foto: AP Photo/Andre Penner)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Comentário veio após perfil oficial da Secretaria de Comunicação criticar a cineasta

  • 'A perseguição à cultura é método dessa gestão', disse o ex-presidente na rede social

Um dia após a publicação do perfil oficial da Secretaria de Comunicação do governo federal chamando a cineasta Petra Costa de “militante anti-Brasil” no Twitter, o ex-presidente Lula (PT) saiu em defesa da diretora do documentário Democracia em Vertigem na mesma rede social.

Lula criticou o fato de a estrutura do governo ter sido usada para defender o presidente, já que a postagem foi feita através de um órgão oficial da Presidência. E completou: “A perseguição à cultura é método dessa gestão.”

Leia também

O ex-presidente declarou seu apoio à diretora do documentário que aborda o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e foi indicado ao Oscar 2020.

Nas respostas à publicação do petista, o perfil do Partido dos Trabalhadores na capital paulista também expressou apoio à diretora:

Outros usuários da rede também argumentaram que Bolsonaro deve ser punido por fazer uso de um órgão governamental para defender seu posicionamento pessoal:

Na última segunda-feira (03), Petra Costa foi alvo de ataques bolsonaristas no Twitter após associar o presidente Jair Bolsonaro a ideias da extrema-direita em uma entrevista ao canal PBS, uma emissora pública dos Estados Unidos.

No vídeo que circula nas redes, a cineasta afirma que Bolsonaro se aliou a grupos religiosos evangélicos que se posicionam contra diretos de mulheres, LGBTs e negros. Ela também afirma que, desde a eleição presidencial de 2018, os homicídios cometidos pela polícia do Rio de Janeiro cresceram 20%. 

A Secretaria de Comunicação acusou a diretora de espalhar fake news, afirmando que o governo “não fez nenhuma ação contra os direitos de minorias” e que “em 2019, o número de homicídios no país teve uma queda de 20%”.