Mercado abrirá em 6 h 7 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,56
    +0,09 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.878,50
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    22.634,42
    -584,38 (-2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,29
    -15,60 (-2,91%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.505,55
    +222,03 (+1,04%)
     
  • NIKKEI

    27.573,36
    -33,10 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.592,25
    +47,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5759
    +0,0085 (+0,15%)
     

Lula pediu Minha Casa, Minha Vida com varanda, diz ministro das Cidades ao tomar posse

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O empresário Jader Filho (MDB-PA) disse nesta terça-feira (3), ao tomar posse no comando do Ministério das Cidades, que reconstruir o programa Minha Casa, Minha Vida é uma prioridade do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Ele afirmou que o presidente pediu que as moradias populares tenham varandas. "[Lula] Diz que o programa tem de levar dignidade, ajudar a diminuir as desigualdades do país", declarou Jader.

"Não é porque a pessoa precisa do apoio do governo que pode se receber uma obra qualquer, de baixa qualidade. Ao contrário, temos de ofertar o melhor possível ao povo brasileiro", disse ainda o novo ministro.

O governo tem R$ 10 bilhões reservados para o programa habitacional no Orçamento de 2023.

No discurso de posse, Jader Filho disse que não vai limitar o investimento privado em saneamento. Afirmou que a gestão pública vai atuar em locais em que a iniciativa privada não tem interesse em investir, como nos pequenos municípios.

"O marco do saneamento precisa ser feito com diálogo. Essa questão se estabelece em parte pelo que a iniciativa privada vai fazer, como também o segmento público. Tem áreas que a iniciativa privada não tem interesse, lá é onde o setor público tem de estar", disse o ministro após a posse, em conversa com jornalistas.

Questionado se pretende fazer alterações no marco legal do saneamento, o novo ministro foi evasivo.

"É um diálogo, temos de ouvir as duas áreas [setores privado e público] para definir a partir daí quais são as melhores práticas para esse segmento", respondeu.

Perguntado novamente sobre o tema, ele disse: "Nosso processo agora é ouvir a todos, para que a gente possa verificar quais são as melhores alternativas para o saneamento básico no nosso país".

Participaram da posse de Jader Filho a ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), e lideranças da mesma legenda, como o ex-presidente José Sarney (MA), os senadores Renan Calheiros (AL) e Marcelo Castro (PI) e o ex-senador Romero Jucá (RR), um dos principais articuladores do impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016.

O evento também reuniu militantes de movimentos sociais por moradia, que puxaram coros de apoio a Lula em mais de uma ocasião, como do MNLM (Movimento Nacional de Luta pela Moradia), do MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas) e do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto).

O novo ministro disse que está aberto ao diálogo com movimentos sociais. Jader Filho afirmou que a nova gestão vai listar as obras de habitação que estão paradas, e retomar a construção da faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida, destinada ao mais pobres.

A posse ainda marcou marcou a expansão do clã liderado pelo senador Jader Barbalho (MDB-PA), pai do ministro, que ainda tem outro filho, Helder Barbalho, como governador do Pará. A mãe do novo ministro, Elcione Barbalho (MDB-PA), é deputada federal.

Jader Filho disse que a sua gestão terá como marca "reconquistas na área social" e que será preciso "reconstruir" o Ministério das Cidades.

A pasta foi recriada com o desmembramento do Ministério do Desenvolvimento Regional. Outra parte da estrutura da pasta que havia no governo de Jair Bolsonaro (PL) se transformou no Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional.