Mercado fechará em 2 h 12 min
  • BOVESPA

    108.509,03
    +679,30 (+0,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.920,00
    -415,51 (-0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,46
    +0,32 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.886,60
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    22.856,40
    -115,15 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,41
    -10,48 (-1,95%)
     
  • S&P500

    4.118,38
    -45,62 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.942,55
    -214,14 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.885,21
    +20,50 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.546,00
    -230,75 (-1,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6086
    +0,0315 (+0,56%)
     

Lula manda tirar estatais de programa de privatização e mantém piso de R$ 600 do Auxílio Brasil

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou neste domingo (1º), logo após sua posse, as primeiras medidas na área econômica, entre as quais uma determinação para que os ministros tomem providências para retirar as estatais do programa de privatizações.

A medida atinge em especial os Correios, que estavam em processo para privatização já sob análise de membros do TCU (Tribunal de Contas da União). Também deve ficar de fora da lista para a venda empresas como a EBC (Empresa Brasileira de Comunicação).

Lula já havia afirmado em discurso após sua eleição que as privatizações iriam acabar no país, o que provocou reações no mercado financeiro. A medida representa uma virada em relação à agenda econômica do antecessor, Jair Bolsonaro (PL).

Sob a gestão do então ministro Paulo Guedes, o Ministério da Economia estimulou a venda de subsidiárias e outros ativos de estatais (como os da Petrobras) e ainda vendeu o controle da Eletrobras.

Além disso, Lula assinou a medida provisória que mantém o pagamento de um piso de R$ 600 mensais para famílias vulneráveis. A medida anteriormente vigente previa esse valor até 31 de dezembro, e Lula articulou uma PEC (proposta de emenda à Constituição) para liberar recursos a partir de 2023 a fim de manter esse mínimo.