Mercado abrirá em 56 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,04
    -0,27 (-0,51%)
     
  • OURO

    1.870,20
    +3,70 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    32.741,76
    -760,34 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,32
    -51,29 (-7,32%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.746,25
    +5,86 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.344,75
    +50,50 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4129
    +0,0049 (+0,08%)
     

'Lula faz parte do meu passado e do passado do país', diz Moro

Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

Sergio Moro, ministro da Justiça e da Segurança Pública, afirmou que o ex-presidente Lula faz parte do passado do país e que não gosta de falar muito sobre o petista. As declarações foram concedidas a Rádio Jornal Caruaru nesta segunda-feira (02).

"O ex-presidente Lula, eu nem gosto muito de falar dele. Sinceramente ele faz parte do meu passado e do passado do país", disse ao ser questionado se via a saída do petista como uma ameaça a ordem pública.

Leia também

Moro ainda falou sobre a campanha a favor do pacote anticrime, proposta que está em tramitação no congresso e que, segundo Moro, tem como objetivo de combater a corrupção, crimes organizados e crimes violentos com mais afinco.

O ministro afirmou que está otimista quanto a aprovação do projeto. "Estamos tomando várias ações importantes na área da segurança pública. Para que possamos avançar mais na redução da criminalidade, precisamos ter o apoio do legislativo. Apresentamos esse projeto do pacote anticrime no congresso e houve essa expectativa do projeto ser votado ainda essa semana. Nós acreditamos que poderemos avançar muito nessa área da segurança pública".

Ele ainda fez um elogio a sua própria gestão ao destacar a queda da criminalidade. "Um dos principais fatores se deve às ações do governo federal. O crime se combate de várias maneiras. Uma delas é reduzir a impunidade", afirmou.

Também nesta segunda-feira, a defesa do ex-presidente Lula pediu ao ao Supremo Tribunal Federal (STF) a anulação da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que o condenou a 17 anos, um mês e 10 dias de prisão no processo do sítio de Atibaia, um dos que foram abertos no âmbito da Operação Lava-Jato. Lula foi considerado culpado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.