Mercado fechará em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    111.992,37
    +3.210,22 (+2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.371,25
    -710,08 (-1,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,99
    +0,75 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.765,60
    +10,30 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    16.409,61
    +203,47 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,53
    -1,20 (-0,31%)
     
  • S&P500

    3.944,91
    -19,03 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    33.726,91
    -122,55 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.504,75
    -111,50 (-0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4696
    -0,0796 (-1,43%)
     

Lula escala Wellington Dias para negociar Orçamento de 2023 com Congresso

*ARQUIVO* FORTALEZA - CE - 22.03.2018 - Seminário Folha - O FUTURO DO NORDESTE - MESA 2 - A producao industrial do Nordeste - Tania Oberding, diretora da BASF, e Wellington Dias, governador do Piauí, debatem no forum sobre o Futuro do Nordeste, em Fortaleza. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)
*ARQUIVO* FORTALEZA - CE - 22.03.2018 - Seminário Folha - O FUTURO DO NORDESTE - MESA 2 - A producao industrial do Nordeste - Tania Oberding, diretora da BASF, e Wellington Dias, governador do Piauí, debatem no forum sobre o Futuro do Nordeste, em Fortaleza. (Foto: Keiny Andrade/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) escalou o ex-governador e senador eleito Wellington Dias (PT-PI) para atuar nas negociações em torno das mudanças na proposta de Orçamento para 2023.

A tarefa é considerada estratégica e ao mesmo tempo sensível. Em um cenário ideal, o novo governo terá cerca de dois meses para articular as alterações necessárias. A proposta atualmente em tramitação é definida por integrantes da campanha como uma peça de ficção diante da profusão de cortes em políticas sociais.

Uma primeira reunião com o relator-geral do Orçamento, senador Marcelo Castro (MDB-PI), e outras lideranças do Congresso está programada para a próxima quinta-feira (3), em Brasília.

A preocupação mais imediata do time de Lula é assegurar a manutenção do pagamento do valor mínimo de R$ 600 às famílias beneficiárias do programa Auxílio Brasil. O projeto enviado no fim de agosto garante um valor médio de apenas R$ 405,21.

Integrantes da campanha calculam a necessidade de cerca de R$ 50 bilhões adicionais no Orçamento para garantir a continuidade dos pagamentos. Sob as regras atuais, não há espaço no teto de gastos —limite previsto na Constituição que impede o crescimento das despesas em ritmo acima da inflação.

A equipe também quer garantir recursos para dar aumento real ao salário mínimo, zerar as filas do SUS (Sistema Único de Saúde), recompor programas como o Farmácia Popular, assegurar o funcionamento dos centros que fazem o cadastro da população para programas sociais e retomar obras estruturantes.

A função de Dias será atuar na interlocução com o Congresso para promover as adequações no Orçamento, com base na proposta de governo que saiu vitoriosa das urnas.

O senador eleito é do mesmo estado de Marcelo Castro, proximidade que tende a facilitar o diálogo. Antes mesmo da conclusão das eleições, os dois já vinham mantendo conversas diante da urgência do tema.

A escalação de Dias para uma das tarefas mais prioritárias da equipe de Lula durante a transição ocorre no momento em que ele emerge como um dos cotados para assumir o Ministério da Fazenda a partir do ano que vem.

O ex-governador também entregou bons resultados para o petista em seu reduto eleitoral. Entre os dez municípios que deram a Lula as maiores votações do Brasil, em termos proporcionais, oito estão no Piauí.

O presidente eleito já deixou claro que prefere um nome político para chefiar a equipe econômica. Outro nome forte é o do deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP). Também são citados o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e o ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

A decisão de designar Dias para cuidar das questões mais imediatas do Orçamento foi tomada hoje por Lula e seu vice, Geraldo Alckmin, em reunião com a presença da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e outros membros da coordenação da campanha.

Além do tema orçamentário, a equipe do petista deve abrir outra frente de atuação para avançar na transição governamental. Gleisi deve buscar agendas para os próximos dias reuniões com representantes dos partidos que formam a aliança que elegeu Lula e também com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

A presidente do PT também deve buscar canal de diálogo com o Judiciário e com o governo de Jair Bolsonaro (PL) para dar início formal à transição, seguindo os trâmites legais.