Mercado abrirá em 1 h 16 min
  • BOVESPA

    117.560,83
    +363,01 (+0,31%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.326,68
    +480,85 (+1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,47
    +1,02 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.718,60
    -2,20 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    19.984,50
    -225,74 (-1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    454,55
    -8,58 (-1,85%)
     
  • S&P500

    3.744,52
    -38,76 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    29.926,94
    -346,93 (-1,15%)
     
  • FTSE

    7.007,66
    +10,39 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.513,25
    -28,50 (-0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0979
    -0,0156 (-0,31%)
     

Lula e Bolsonaro não conseguirão abandonar âncora fiscal, diz consultoria

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 28.08.2022 - Fotomontagem de Lula e Bolsonaro durante o primeiro debate das eleições de 2022. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 28.08.2022 - Fotomontagem de Lula e Bolsonaro durante o primeiro debate das eleições de 2022. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Relatório sobre a eleição brasileira publicado pela Gavekal, influente consultoria financeira baseada em Hong Kong, prevê que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ou Jair Bolsonaro (PL) não conseguirão abandonar totalmente o atual arranjo fiscal, apesar de se colocarem contra o teto de gastos.

"Há razões para acreditar que haverá restrições institucionais políticas e econômicas que impedirão o candidato vitorioso a abandonar completamente a âncora fiscal atual sem alguma forma de substituição", diz o relatório, com data de 14 de setembro.

O documento, distribuído para clientes em todo mundo, afirma que a flexibilização do teto em razão da pandemia pelo governo Bolsonaro fez "excelente sentido". " Em vez da contração de 9% inicialmente prevista, a economia brasileira caiu ‘apenas’ 4% em 2020", afirma.

O relatório também faz uma previsão otimista sobre a economia do país, em razão sobretudo da recuperação no valor das commodities e da melhora dos termos de troca no comércio internacional.

"Assim como o medo de uma explosão da dívida brasileira pós-pandemia se mostrou bastante exagerado, é provável que o pessimismo sobre o cenário de longo prazo também se prove sem fundamento".