Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    23.034,99
    -153,35 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Lula diz que é preciso que 'pessoas ricas paguem mais impostos'

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quarta-feira (12) que é necessário fazer mudanças na cobrança de impostos do país para que ricos paguem mais e pobres, menos.

"Todo mundo sabe que é preciso fazer uma política tributária nova, é preciso fazer com que pessoas mais ricas paguem mais impostos do que os pobres, porque hoje os pobres comparativamente pagam mais imposto que os ricos", disse em café da manhã com jornalistas.

O chefe do Executivo, porém, não deu detalhes das alterações que pretende propor na política tributária da União.

Ele também fez duras críticas ao mercado financeiro e à Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

"Nunca vi a Febraban se reunir e dizer que está preocupada em pegar uma parte do juros que recebe para dedicar a ajudar o padre Julio Lancellotti a cuidar do morador de rua", afirmou.

O mandatário disse que o mercado criou uma narrativa de que verbas destinadas a melhorias na saúde, educação e outras áreas são tratadas como gasto para o governo, enquanto o pagamento da taxa de juros não tem o mesmo tratamento.

"Eu às vezes fico muito, mas muito irritado e peço desculpas para pessoas que eu fico irritado porque é o seguinte: o mercado não tem coração, não tem sensibilidade, não tem humanismo", afirmou.

Lula recebeu, pela primeira vez, jornalistas nesta manhã. Mas, ao final do encontro, apenas cinco veículos puderam perguntar, e a Folha não fez parte do grupo.