Mercado fechará em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    121.110,57
    +404,66 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.190,97
    +361,66 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,11
    +1,29 (+2,02%)
     
  • OURO

    1.838,90
    +14,90 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    51.100,88
    +878,69 (+1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.428,51
    +69,94 (+5,15%)
     
  • S&P500

    4.168,72
    +56,22 (+1,37%)
     
  • DOW JONES

    34.328,02
    +306,57 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.348,75
    +248,50 (+1,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3739
    -0,0386 (-0,60%)
     

Lula chora ao falar em 'limpar o nome da família'

MÔNICA BERGAMO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se emocionou a ponto de chorar nesta sexta-feira (16) ao participar de uma reunião virtual com a executiva do PT. O assunto principal da conversa era a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que na quinta (15) confirmou a anulação de todas as sentenças do ex-juiz Sergio Moro contra ele. Por 8 a 3, os magistrados afirmaram que a 13ª Vara Federal de Curitiba não tinha competência para julgar os processos contra Lula. No encontro estavam também Dilma Rousseff, Fernando Haddad e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. De acordo com um dos presentes, Lula afirmou que lutou muito para chegar a esse momento. Afirmou que a ex-primeira-dama Marisa Letícia morreu por causa da pressão gerada pela Operação Lava Jato, que chegou a investigá-la, e também aos filhos do casal. E foi às lágrimas ao dizer que a sua batalha não era apenas política, mas também pessoal, para "limpar o nome da minha família". Na próxima semana, o STF deve decidir se a anulação das condenações impede que Moro seja julgado também por suspeição, ou seja, por ter sido parcial na condução dos processos. O ministro Edson Fachin, que relata os processos e que primeiro deu a liminar para anular as condenações, defende que os pedidos de suspeição contra o ex-juiz perdem objeto e não devem mais ser apreciados pela 2ª Turma do tribunal —que já afirmou que Moro foi parcial no caso do tríplex do Guarujá. A questão será submetida agora ao plenário da Corte, que dará a palavra final.