Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.971,59
    +21,58 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Lula avalia definir regra de valorização do salário mínimo ainda na transição, caso vença

*** FOTO DE ARQUIVO *** CAMPINAS, SP, 08.10.2022 - O candidato do PT a governador de São Paulo, Fernando Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu vice, Geraldo Alckmin, em caminhada pelas ruas da cidade de Campinas, no interior do Estado. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** CAMPINAS, SP, 08.10.2022 - O candidato do PT a governador de São Paulo, Fernando Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu vice, Geraldo Alckmin, em caminhada pelas ruas da cidade de Campinas, no interior do Estado. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) avalia fazer um gesto econômico forte logo na largada da transição, em caso de vitória. Uma possibilidade forte é detalhar qual será a regra para a correção do salário mínimo a partir do ano que vem.

Nos governos petistas, a correção conjugava inflação e aumento do PIB de dois anos antes. A regra poderá ser retomada, ou adaptada, a partir de 2023.

"Seria importante começar o governo com uma definição clara sobre a valorização do salário mínimo, mesmo que depois seja necessário algum ajuste", diz Clemente Ganz, ex-diretor do Dieese.