Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,76
    +1,36 (+1,21%)
     
  • OURO

    1.811,80
    -7,10 (-0,39%)
     
  • BTC-USD

    30.495,48
    +495,71 (+1,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    677,94
    +435,26 (+179,36%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    +112,70 (+0,42%)
     
  • NASDAQ

    12.567,25
    +7,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2112
    +0,0008 (+0,02%)
     

Lula arrisca perder apoio após fala sobre aborto, classe média

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, favorito nas intenções de voto, corre o risco de perder apoio antes da eleição presidencial de outubro ao irritar os mais conservadores, um eleitorado crescente no país, de acordo com a Quaest.

Felipe Nunes, chefe da empresa de pesquisa com sede em Belo Horizonte, disse que Lula pode perder votos de setores religiosos e de profissionais liberais após expressar publicamente seu apoio ao aborto e criticar o estilo de vida da classe média.

Lula, de 76 anos, ainda lidera as pesquisas, já que a maioria dos brasileiros acredita que ele é mais capaz de resgatar uma economia que sofre com inflação acima de 11% e altas taxas de desemprego.

Mas em um país predominantemente cristão, onde o número de evangélicos cresce rapidamente, a interrupção precoce da gravidez é uma questão polêmica.

“O Brasil é um país conservador; essas questões são muito importantes”, disse Nunes em entrevista. Ao manifestar apoio ao aborto, Lula “pode dar votos evangélicos e católicos a Bolsonaro”.

Em um debate em 5 de abril, o ex-presidente disse que “todos deveriam ter direito a” um aborto “e não se envergonhar” porque é uma questão de saúde pública. Muitas mulheres pobres, acrescentou, morrem tentando fazer o procedimento. Ele também deu uma alfinetada na classe média brasileira por “ostentar” seu padrão de vida.

Dias depois, tentou voltar atrás e disse que era pessoalmente contra o aborto, que, no Brasil, é um crime punível com pena de prisão na maioria de suas formas.

Cerca de metade do país se identifica como católico, embora alguns estimativas agora colocam os pentecostais como a maioria. Em sua ascensão ao poder em 2018, o titular Jair Bolsonaro, 67, fez campanha sobre os valores tradicionais da família e prometeu colocar evangélicos em cargos de alto escalão do governo, incluindo o Supremo Tribunal Federal, e obteve apoio crucial desse eleitorado.

Preocupações Econômicas

Muitos árduos defensores de Bolsonaro se decepcionaram com a má gestão da pandemia de coronavírus e da crise econômica que se seguiu.

Mesmo que as preocupações com a pandemia estejam se dissipando, “a economia é a questão principal, e Lula é reconhecido como aquele que lidaria melhor” nesta área, disse Nunes. “As pessoas lembram que suas vidas eram melhores durante seu governo.”

Lula deixou o cargo em 2010 como um dos presidentes mais populares na história do país, após um boom de commodities que produziu um rápido crescimento econômico e tirou milhões da pobreza.

Ele lidera as pesquisas de intensão de voto desde que o Supremo derrubou condenações por corrupção que bloqueavam sua candidatura ao julgar que eram tendenciosas.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos