Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.163,49
    -320,09 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Luiz Gomes: 'O Renato Portaluppi do Grêmio precisa virar o Renato Gaúcho do Flamengo'

·2 minuto de leitura


O Flamengo entra com força máxima para enfrentar o Barcelona, no jogo de volta da Libertadores, independentemente da vantagem aberta com a vitória no Maracanã. E é assim que tem de ser. O empate do fim de semana contra o América-MG foi um alerta. E, espera-se, Renato tenha entendido o recado que veio da grita do torcedor: a tática adotada no Sul, onde o Tricolor porto-alegrense praticamente abriu mão do Brasileirão para disputar a Liberta ou Copa do Brasil, definitivamente não tem lugar por aqui. O torcedor rubro-negro, quer vencer, sim. Mas quer vencer tudo!


Tudo bem que nem se compara o elenco do Flamengo com o que o técnico tinha no Grêmio. Em tese, remanejar jogadores, escalar times mistos ou alternativos, seja lá que nome queiram, é muito mais fácil a partir do Ninho do Urubu do que da Arena gremista. Mateuzinho, Léo Pereira, Renê, Thiago Maia, Vitinho, Michael, Pedro, só para citar alguns, certamente seriam titulares, ou quase isso, em qualquer dos times que por cinco anos Renato dirigiu no Grêmio. Seria bem mais fácil para ele se estivessem por lá.

Mas, aqui, são reservas. Ótimos reservas, mas reservas. E Renato precisa resistir a tentações.

Entre tantas outras, uma razão que fez Jorge Jesus conquistar a torcida do Flamengo, mesmo antes das conquistas daquele 2019 histórico, foi sua filosofia de trabalho em que não havia espaço para poupar jogadores. Muito ao contrário, Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão receberam por todo o tempo a mesma importância, o mesmo peso. E foi isso que incutiu naquele time um espírito vencedor, uma garra e um entrega que se via nos 90 minutos de jogo, mesmo em jogos em que a vitória já estava assegurada bem antes do fim.

Não que uma ou outra peça não fosse poupada vez por outra no time de Jesus. Mas tudo era visto caso a caso, com base na avaliação de médicos, fisioterapeutas e fisiologistas que poucas vezes trabalharam com tanta integração no futebol brasileiro. Sempre em benefício do todo. O que definitivamente não havia com o português era a deliberada decisão de poupar todo mundo de uma vez csó omo se via no Grêmio de Portaluppi e se viu no Flamengo do Gaúcho.

O início de Renato no Flamengo, mais do que promissor, foi sensacional. Em 18 jogos, duas derrotas, dois empates e 14 vitórias, a maioria delas por placares elásticos. Uma numeralha que não é para qualquer um. E que entusiasmou a galera. Mas, ganhou um crédito, o treinador está longe de ter conquistado um cheque em branco. E decisões equivocadas, fiascos como o do jogo com o América-MG serão cobrados com juros. Que ninguém se iluda.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos