Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.050,39
    -7,43 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Lufthansa anuncia prejuízo recorde de € 6,7 bilhões em 2020 por covid-19

·2 minuto de leitura
Avião da Lufthansa no aeroporto de Frankfurt em 20 de fevereiro de 2021

A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou nesta quinta-feira um prejuízo recorde de 6,7 bilhões de euros (8,08 bilhões de dólares) em 2020 pelas restrições no setor aéreo, adotadas para frear a pandemia de coronavírus.

O maior grupo aéreo europeu informou que espera novas perdas em 2021, mas menores que as do exercício fiscal anterior, pois calcula alcançar entre 40% e 50% da oferta prévia à pandemia.

Porém, ao destacar o longo caminho para a recuperação, a empresa, que em 2020 operou com 31% de sua capacidade, prevê retornar a 90% da oferta de 2019 em "meados da década".

Depois do fechamento de fronteiras para conter a primeira onda de contágios, a empresa enfrentou um futuro incerto.

Em junho, o governo alemão salvou a empresa com a concessão de 9 bilhões de euros (10,85 bilhões de dólares) de liquidez em troca de uma participação de 25%.

"O ano passado foi o mais difícil da história de nossa empresa: para nossos clientes, funcionários e acionistas", disse o diretor executivo da Lufthansa, Carsten Spohr.

A demanda permanece muito baixa, pois o trabalho remoto reduz as lucrativas viagens de negócios e as medidas sanitárias paralisam as viagens turísticas.

Atualmente, a Lufthansa utiliza por volta de 20% de sua capacidade e espera poucos avanços nos próximos dois meses.

A companhia tem a expectativa de uma recuperação da demanda no verão (hemisfério norte) com o avanço da vacinação e o aumento das capacidades de diagnóstico com testes.

"Os certificados digitais de vacinação e testes, reconhecidos internacionalmente, devem substituir as proibições de viagens e a quarentena", destacou Spohr.

Em 2020, a Lufthansa, incluindo as filiais Swiss, Austrian, Brussels Airlines e Eurowings, operou com apenas 31% de sua capacidade total.

O faturamento registrou queda de 63%, a 13,6 bilhões de euros (16,37 bilhões de dólares) em 2020. Em 2019 o valor alcançou € 36,4 bilhões (US$ 43,825 bilhões).

A perda operacional foi de 5,5 bilhões de euros (6,62 bilhões de dólares), enquanto em 2019 a empresa teve lucro operacional antes de juros e impostos de 2 bilhões de euros (2,41 bilhões de dólares).

Desde o início da pandemia, a Lufthansa cortou 31.000 postos de trabalho, passando de 141.000 para 110.000 funcionários.

Outros 10.000 empregos ainda estão em risco, admite a empresa, que assinou acordos com os sindicatos de pilotos e funcionários de terra para evitar demissões até março de 2022.

Em contrapartida, os pilotos concordaram em alterar o horário de trabalho dos voos curtos e adiar os aumentos salariais.

A equipe de terra renunciou a bônus e aumentos salariais.

Além disso, a Lufthansa vai reduzir sua frota de 800 para 650 aeronaves em 2023.

ys/tjc/fp