Mercado fechará em 5 h 8 min
  • BOVESPA

    106.066,59
    -296,51 (-0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.670,75
    -43,85 (-0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,10
    -0,56 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.802,50
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    61.372,93
    +2.250,94 (+3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.479,34
    +59,97 (+4,23%)
     
  • S&P500

    4.580,26
    +28,58 (+0,63%)
     
  • DOW JONES

    35.678,11
    +187,42 (+0,53%)
     
  • FTSE

    7.238,94
    -14,33 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.640,25
    +53,00 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5197
    +0,0950 (+1,48%)
     

Lucy, a missão da Nasa que explorará os misteriosos asteroides troianos de Júpiter

·2 minuto de leitura
O hemisfério sul de Júpiter capturado pela espaçonave Juno, da Nasa, em foto divulgada pela agência em 2 de julho de 2018 (AFP/Handout)

A Nasa está prestes a enviar sua primeira espaçonave destinada a estudar os asteroides troianos de Júpiter, a fim de obter novas perspectivas sobre a formação do sistema solar 4,5 bilhões de anos atrás, anunciou a agência espacial dos Estados Unidos nesta terça-feira (28).

A sonda, chamada Lucy em homenagem a um antigo fóssil que ajudou na compreensão da evolução da espécie humana, será lançada em 16 de outubro a partir da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida.

Sua missão é investigar o grupo de corpos rochosos que circundam o sol em dois enxames, um precedendo Júpiter em seu caminho orbital e o outro seguindo atrás dele.

Depois de receber impulsos da gravidade da Terra, Lucy embarcará em uma jornada de 12 anos para oito asteroides diferentes: um no cinturão principal entre Marte e Júpiter e então sete troianos.

"Apesar do fato de que realmente estão em uma região muito pequena do espaço, eles são muito diferentes fisicamente um do outro", explicou aos repórteres Hal Levison, o principal cientista da missão, sobre os asteroides troianos, que são mais de 7 mil no total.

"Por exemplo, eles têm cores muito variadas, alguns são cinza, alguns são vermelhos", acrescentou ele. As diferenças indicam a que distância do sol eles podem ter se formado antes de assumir sua trajetória atual.

"O que quer que Lucy encontre nos dará pistas vitais sobre a formação de nosso sistema solar", afirmou Lori Glaze, diretora da divisão de ciência planetária da Nasa.

A sonda voará a uma distância de até 400 quilômetros da superfície de seus objetos alvo, e usará instrumentos de bordo e grandes antenas para investigar sua geologia, incluindo composição, massa, densidade e volume.

A nave foi construída pela Lockheed Martin e inclui mais de três quilômetros de fios e painéis solares que, empilhados, teriam a altura de um prédio de cinco andares.

Será a primeira movida a energia solar a se aventurar tão longe do sol, e observará mais asteroides do que qualquer outra nave espacial anterior. O custo total da missão é de 981 milhões de dólares.

Os pesquisadores que descobriram o fóssil Lucy na Etiópia em 1974 a nomearam em homenagem à música dos Beatles "Lucy in the Sky with Diamonds", que estavam ouvindo alto no acampamento da expedição.

Em homenagem a essa herança, o logo oficial da missão da Nasa tem forma de diamante.

la/ia/md/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos