Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,48
    -0,81 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.734,10
    -3,40 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    41.692,35
    -1.462,04 (-3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,22
    -23,93 (-2,26%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.779,50
    +14,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3421
    -0,0005 (-0,01%)
     

Lucro de US$ 170 bilhões de bancos globais marca ano recorde

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Funcionários esgotados, problemas para a volta ao escritório e novas ondas de Covid-19. Nada disso importa. Uma simples realidade se destaca para os maiores bancos de investimento globais: estão ganhando dinheiro como nunca.

Com a temporada de balanços perto do fim, um lucro combinado de mais de US$ 170 bilhões entre os maiores bancos nos últimos quatro trimestres mostra o quão longe o setor caminhou desde os primeiros estágios da pandemia. O JPMorgan Chase foi destaque, ganhando o equivalente a US$ 131 milhões por dia.

Uma série de vitórias em trading certamente ajudou o setor nos primeiros dias da Covid-19 e, à medida que a volatilidade do mercado do ano passado diminuía, banqueiros de investimento estavam prontos para coordenar o salto em aquisições e captação de fundos por meio de veículos de aquisição de propósito específico. Bancos com unidades de gestão de patrimônio e de ativos se beneficiaram de mercados acionários dinâmicos em meio à recuperação da economia mundial, auxiliada por programas de apoio governamental sem precedentes. A mesma tendência foi benéfica para as unidades de varejo, por muito tempo consideradas um entrave aos lucros, quando as provisões para perdas com empréstimos começaram a ser desfeitas.

Goldman Sachs e Morgan Stanley também bateram recordes de lucro, enquanto rivais europeus como UBS e Barclays registraram os maiores ganhos em uma década. Deutsche Bank e Société Générale atribuíram os melhores resultados à recuperação da economia mundial. Ações do setor bancário refletem esses fortes números: o índice Dow Jones US Banks acumula alta de 59% nos últimos 12 meses, enquanto o indicador Eurostoxx Banks sobe 56%.

A elevada atividade nos mercados beneficiou operadores que antes eram desfavorecidos no Deutsche Bank e no Barclays, enquanto o banco de investimento do JPMorgan registrou trimestre recorde graças às comissões em fusões e aquisições e assessoria.

Esse aumento na atividade corporativa refletiu o otimismo em muitos segmentos da economia global, depois de meses de restrições da Covid. Por sua vez, bancos se sentiram confiantes o suficiente para começar a reverter as amplas provisões contra um colapso econômico que não chegou. Só na Europa, os nove principais bancos divulgaram queda de 88% das provisões nas últimas semanas.

“Todos os bancos que avaliamos no Reino Unido e na Europa ainda estão mantendo reservas materiais para perdas de crédito esperadas, dada a incerteza remanescente”, disse Laurie Mayers, diretora-gerente associada da Moody’s Investors Service em Londres. “No entanto, as perspectivas mais positivas para as principais economias, incluindo a inflação dos preços dos imóveis, estão pressionando os bancos a liberar as provisões.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos