Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.411,01
    -11,97 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

Lucro da XP desacelera no 1º tri, com Ômicron e guerra na Ucrânia

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O lucro da XP desacelerou no primeiro trimestre, refletindo o menor crescimento da base de clientes e da captação líquida de recursos, num período marcado por um repique da Covid-19 e pelos efeitos globais da invasão russa na Ucrânia.

A maior plataforma independente de gestão de recursos do Brasil anunciou nesta terça-feira que seu lucro ajustado entre janeiro e março somou 987 milhões de reais, alta de 17% sobre um ano antes, quando havia dobrado no comparativo anual.

O resultado operacional da XP medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de 1,19 bilhão de reais no período, 14% maior ano a ano. A margem Ebitda caiu 1,5 ponto percentual, para 38,2%.

"Tivemos um cenário super desafiador no cenário macro", disse Bruno Constantino, sócio e diretor financeiro da XP, citando efeitos negativos da Ômicron, variante da Covid-19, que ditou novo aperto em regras de circulação de pessoas; e da Guerra da Ucrânia, com efeitos inflacionários pelo mundo.

O executivo citou ainda o que chamou de efeito portfolio, com os clientes buscando mais ativos de renda fixa, em detrimento de ativos como ações, segmento que enfrentou maior volatilidade no período.

A desaceleração no trimestre ilustra a visão divergente entre analistas sobre se a XP conseguirá manter o crescimento vistoso dos últimos anos conservando a rentabilidade num ambiente macroeconômico adverso, com a combinação de juros e inflação alta espremendo a renda das famílias.

Na véspera, o Credit Suisse cortou o preço-alvo para os papéis da XP, citando que o ciclo de aperto monetário no país traz maior risco à sustentação do seu ritmo de atração de investimentos de clientes em 2022.

O UBS também cortou o preço-alvo da ação da XP em janeiro. Já o Morgan Stanley elevou em outubro a recomendação para o papel, de "neutra" para "acima da média do mercado".

Constantino citou que o ritmo de crescimento do negócio ao longo de 2022 depende de "algumas variáveis que não controlamos", mas que as margens de lucro do grupo "estão totalmente sob controle" e reiterou a confiança na resiliência do negócio.

Em abril, a XP havia informado que o total de ativos sob sua custódia fechou março em 873 bilhões de reais, alta de 22% ano a ano. Já a captação líquida de recursos de clientes foi de 46 bilhões de reais no trimestre, frente a 69 bilhões de reais no mesmo período de 2021. E o número de clientes subiu 17% em 12 meses, para 3,5 milhões.

A companhia também informou nesta terça-feria que sua carteira de crédito somava 11,5 bilhões de reais no fim do trimestre, um crescimento de 142%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos