Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.883,21
    +2.504,29 (+2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.845,72
    +578,52 (+1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,86
    +1,80 (+4,18%)
     
  • OURO

    1.802,70
    -35,10 (-1,91%)
     
  • BTC-USD

    19.192,04
    +740,07 (+4,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,84
    +11,09 (+3,00%)
     
  • S&P500

    3.632,28
    +54,69 (+1,53%)
     
  • DOW JONES

    30.023,18
    +431,91 (+1,46%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.077,00
    +171,75 (+1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3947
    -0,0456 (-0,71%)
     

Vale lucra 76% mais no 3º tri com alta do minério de ferro e demanda chinesa

·3 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A mineradora Vale teve lucro líquido de 2,9 bilhões de dólares no terceiro trimestre, aumento de 76% ante o registrado no mesmo período do ano passado, com impulso de melhores preços do minério de ferro em meio à forte demanda da China, informou a companhia nesta quarta-feira.

O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado somou 6,1 bilhões de dólares, versus 4,6 bilhões de dólares no mesmo período do ano passado.

O desempenho também melhorou fortemente ante o segundo trimestre, quando o lucro somou 995 milhões de dólares, e o Ebitda ajustado 3,37 bilhões de dólares. Mas o resultado líquido ficou abaixo da expectativa de 3,76 bilhões de dólares, com base em dados da Refinitiv.

O Ebitda de Minerais Ferrosos, o principal negócio da empresa, totalizou 5,86 bilhões de dólares no terceiro trimestre, ficando 2,35 bilhões acima do segundo trimestre.

O preço realizado da Vale de finos de minério de ferro totalizou 112,1 dólares por tonelada, um aumento de 23,2 dólares quando comparado ao trimestre imediatamente anterior e também avanço na comparação com os 89,2 dólares do mesmo período do ano passado.

A alta refletiu "o aumento do preço de referência 62% Fe e a curva de preço futura, devido a forte demanda chinesa".

A companhia comentou que a produção de aço da China totalizou 92,5 milhões de toneladas em setembro, atingindo um recorde de 781 milhões no acumulado dos nove primeiros meses do ano, um aumento de 4,5% em relação ao ano anterior.

O custo caixa C1 de finos de minério de ferro diminuiu 2,2 dólares, totalizando 14,9 dólares/toneladas no terceiro trimestre.

"O menor custo caixa C1 deveu-se, principalmente, à maior diluição de custos fixos (1,5 dólar/t) e a normalização dos custos de demurrage (0,9 dólar/t), ambos efeitos antecipados no relatório do segundo trimestre", disse a Vale.

REMUNERAÇÃO

A Vale teve um fluxo de caixa livre das operações de 3,75 bilhões de dólares no terceiro trimestre, impulsionado principalmente pelo forte Ebitda, o que permitiu o pagamento de remuneração aos acionistas.

A empresa destacou que no terceiro trimestre o conselho de administração retomou a política de remuneração de acionistas, distribuindo um total de 3,3 bilhões de dólares em retornos pelo desempenho da companhia no primeiro semestre e os juros sobre capital próprio anunciados em dezembro de 2019.

A mineradora apontou ainda que desembolsou 332 milhões de dólares no trimestre relativos ao desastre de Brumadinho (MG), incluindo o programa de descaracterização, acordos e doações e

despesas incorridas.

O valor das provisões encerrou o período totalizando 3,1 bilhões de dólares, principalmente devido aos desembolsos feitos durante o ano no valor de 863 milhões de dólares e ao impacto da desvalorização do real.

Os investimentos no terceiro trimestre totalizaram 895 milhões de dólares, consistindo em 110 milhões em execução de projetos e 785 milhões de dólares em manutenção das operações.

Além disso, a companhia atualizou a projeção de investimentos em 2020, de 4,6 bilhões para 4,2 bilhões de dólares.

A dívida líquida expandida atingiu 14,4 bilhões de dólares até 30 de setembro, queda de 844 milhões de dólares principalmente pelos menores compromissos relacionados a Brumadinho e Samarco & Fundação Renova.

(Por Roberto Samora e Sabrina Valle)