Mercado fechará em 4 h 42 min
  • BOVESPA

    112.177,78
    +299,25 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,06
    -0,22 (-0,49%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +13,80 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    19.361,68
    +412,43 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,65
    +15,74 (+4,31%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.464,34
    +0,95 (+0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.471,75
    +17,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2898
    -0,0300 (-0,47%)
     

Lucro da Saudi Aramco desaba 44,6% no 3° tri com impacto de pandemia na demanda

Por Hadeel Al Sayegh e Rania El Gamal
·3 minuto de leitura

Por Hadeel Al Sayegh e Rania El Gamal

DUBAI (Reuters) - A gigante petroleira estatal saudita Aramco reportou nesta terça-feira uma queda de 44,6% no lucro líquido do terceiro trimestre, à medida que a crise do coronavírus continuou a impactar a demanda e pesar sobre os preços do petróleo.

Os preços de ações de empresas petrolíferas foram fortemente afetados neste ano, com investidores preocupados com os efeitos da pandemia sobre a demanda por energia e com uma esperada transição no longo prazo para além dos combustíveis fósseis.

Os preços do petróleo se recuperaram apenas levemente depois de uma derrocada para os menores níveis em quase duas décadas em março, o que levou a Aramco e outras grandes petrolíferas como Shell e BP a cortar investimentos neste ano e no próximo.

Margens mais fracas de refino e em produtos químicos também atingiram o lucro líquido da Aramco, que caiu para 44,21 bilhões de riais (11,79 bilhões de dólares) nos três meses encerrados em 30 de setembro, em linha com a estimativa de analistas de 44,6 bilhões de riais, segundo dados da Refinitiv, mas abaixo dos 79,84 bilhões de riais no mesmo período do ano passado.

"Vimos os primeiros sinais de recuperação no terceiro trimestre devido à melhora da atividade econômica, apesar dos ventos contrários que os mercados globais de energia enfrentam", disse o presidente-executivo da Saudi Aramco, Amin Nasser, em um comunicado.

As ações da Aramco chegaram a subir 1% após os resultados. Embora com queda de 2,3% no acumulado do ano, a Aramco supera empresas como Exxon , BP e Shell, cujas ações caíram mais de 50%, e Chevron, que caiu 40%.

Analistas dizem que isso se deve em parte ao desempenho geral do mercado de ações saudita, no qual a Aramco está listada, mas também ao fato de que a empresa garantiu o pagamento de dividendos.

A Aramco disse que distribuirá um dividendo de 18,75 bilhões de dólares para o trimestre, em linha com seu plano de pagar um dividendo base de 75 bilhões de dólares em 2020.

Mas o analista de ações Yousef Husseini, do banco de investimento EFG-Hermes, disse que a Aramco provavelmente terá que aumentar sua dívida no curto a médio prazo, ou cortar ainda mais investimentos, a fim de ser capaz de manter os dividendos, a menos que os preços do petróleo recuperem para pelo menos 55 dólares por barril.

Os dividendos da maior empresa produtora de petróleo do mundo, que abriu o capital no ano passado, são críticos para ajudar o governo saudita a administrar seu déficit fiscal.

O lucro líquido da Aramco quase dobrou na comparação com os 24,62 bilhões de riais no segundo trimestre, o que a empresa atribuiu aos preços mais altos do petróleo, embora tenha notado que isso foi parcialmente compensado por uma queda nos volumes vendidos.

A Arábia Saudita tem cortado sua produção de petróleo desde maio sob um pacto de corte de oferta global entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, um grupo conhecido como Opep +, que visa apoiar os preços.

A Aramco teve fluxo de caixa livre de 12,4 bilhões de dólares no terceiro trimestre, em comparação com 6,1 bilhões no segundo trimestre.

(Por Hadeel Al Sayegh e Rania El Gamal)