Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,41 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,50 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,97
    -0,16 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.866,10
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    29.476,21
    -56,32 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    579,45
    -100,46 (-14,78%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,37 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.627,69
    -129,17 (-0,45%)
     
  • NASDAQ

    13.372,00
    -23,50 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5110
    +0,0026 (+0,04%)
     

Lucro da MRV cai 8% no 3º trimestre, sob efeito do Minha Casa Minha Vida

SÃO PAULO (Reuters) - A MRV teve lucro líquido de 160 milhões de reais no terceiro trimestre, queda de 8% com relação ao mesmo período do ano passado, informou nesta terça-feira a construtora de imóveis residenciais.

O resultado foi impactado com paralisação de repasses para imóveis do programa Minha Casa Minha Vida durante praticamente todo o trimestre, que fez a MRV ter uma queima de caixa de 198 milhões de reais, ante uma geração de 241 milhões um ano antes.

A companhia apurou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de 248 milhões de reais, alta de 4,2% na base anual.

Analistas, em média, esperavam lucro líquido de 184,6 milhões de reais e Ebitda de 257,5 milhões, segundo dados da Refinitiv.

Segundo o balanço, com a paralisação nos repasses do MCMV, parte das vendas da empresa feitas no trimestre passado acabou não sendo registrada no período. Com isso, o número de unidades repassadas entre julho e setembro despencou 32,5%, para 7.266.

Além disso, a companhia voltou a citar maior rigor na concessão de crédito pelos bancos financiadores, o que forçou "uma flexibilização das condições comerciais" e contribuiu para a queda da margem bruta, de 33% para 29,5%.

A companhia também citou entre os impactos na margem bruta "um significativo aumento" no preço do aço e do concreto e afirmou que os novos patamares de custos de material serão mantidos. "Não esperamos um movimento de reversão nestes itens", afirmou a MRV, sem detalhar valores.

Como forma de conter parte dos custos, a empresa afirmou no balanço que está substituindo mão-de-obra terceirizada por própria, que atingiu no terceiro trimestre 70% do pessoal, esperando conseguir com isso melhor qualificação dos funcionários e melhoria em produtividade.

A MRV informou ainda que vai pagar em 27 de novembro primeira parcela, no valor de 163,95 milhões de reais, de dividendo extraordinário aprovado em abril. Ao todo, a empresa afirma que vai pagar 1,11 real por ação em dividendos relativos a 2018, correspondendo a um yield de 7%.

(Por Alberto Alerigi Jr.)