Mercado fechado

Lucro da Movida cresce 62,7% no quarto trimestre de 2019

Rita Azevedo

A empresa de aluguel de carros declarou lucro de R$ 84,1 milhões, no período; receita somou R$ 1 bilhão, um avanço de 34,2% O lucro da Movida cresceu 62,7% no quarto trimestre, na comparação anual, para R$ 84,1 milhões, com o resultado impulsionado, entre outros fatores, pelo aumento na receita no período.

A receita líquida da empresa de aluguel de carros somou R$ 1 bilhão, um avanço de 34,2% ante o mesmo período de 2018 puxado pelo crescimento de todas as divisões da companhia. A unidade de seminovos teve receita líquida de R$ 543,5 milhões, aumento de 19,8%. Na operação de aluguel de carros, o crescimento foi de 19,8%, para R$ 328 milhões. Em gestão de frotas, houve avanço de 39%, para R$ 128,9 milhões.

Seminovos

Pela primeira vez, a área de seminovos registrou resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) positivo — o que era aguardado por analistas, que consideravam a divisão como um gargalo da companhia. No quarto trimestre de 2018, o resultado foi negativo em R$ 21,5 milhões. No mesmo período de 2019, o indicador foi positivo em R$ 6 milhões.

“No último trimestre tivemos a conclusão de um plano que começou na metade de 2018 para a unidade de seminovos e que incluiu melhorias na precificação, mudanças de marketing e nas comissões dos vendedores”, disse Edmar Lopes, diretor financeiro da Movida, ao Valor.

No período de outubro a dezembro foram vendidos pouco mais de 13,6 mil carros seminovos, número 35% superior ao registrado nos mesmos meses de 2018. O número de carros vendidos por loja chegou a 40 — abaixo dos 45 previstos pelo presidente da companhia, Renato Franklin, na teleconferência do terceiro trimestre.

A variação, de acordo com Lopes, ocorreu devido ao aumento na demanda por aluguel, que fez com que a companhia postergasse o envio dos carros para venda, mantendo os veículos por mais tempo nas agências e reduzindo o número de veículos disponíveis para compra.

O Ebitda consolidado da Movida cresceu 88,6%, para R$ 259,2 milhões. O resultado operacional cresceu 54,2%, a R$ 158,5 milhões.

Na linha financeira, houve piora, com o prejuízo financeiro líquido passando de R$ 40,3 milhões para R$ 52,7 milhões. O aumento foi atribuído pela companhia à inclusão de juros sobre direito de uso, no valor de R$ 14,6 milhões, decorrentes da adoção da norma contábil IFRS 16 em 2019.

No ano completo, o lucro da Movida cresceu 43%, para R$ 227,8 milhões, e a receita avançou 45,1%, a R$ 3,83 bilhões. Para 2020, as expectativas da companhia são positivas, segundo Lopes. “Queremos continuar crescendo em rentabilidade (...) a expectativa é entregar um ano inteiro de resultados bons em seminovos”, afirmou Lopes. “Sabemos que vamos enfrentar alguma volatilidade, mas de maneira geral estamos bem confiantes.”