Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.413,59
    +475,87 (+0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Lucro da Minerva cai 4,3% no 1º tri para R$259,5 mi com desafios na unidade do Brasil

Nayara Figueiredo
·3 minuto de leitura
Lucro da Minerva cai 4,3% no 1º tri para R$259,5 mi com desafios na unidade do Brasil

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, reportou nesta terça-feira lucro líquido de 259,5 milhões de reais para o primeiro trimestre deste ano, queda de 4,3% em relação ao mesmo período de 2020, pressionada por um cenário adverso nas operações do Brasil.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) avançou 27,1% no período, para 484,9 milhões de reais, informou a companhia em balanço financeiro.

A disparada nas cotações da arroba bovina, acima de 300 reais, aliada ao enfraquecimento do mercado interno em meio à pandemia da Covid-19 e exportações que ganharam ritmo mais firme somente a partir de março afetaram todo o setor e limitaram as margens da companhia.

No entanto, o desempenho da subsidiária Athena Foods compensou uma parcela significativa dos resultados, puxada pelo desempenho em países como Paraguai, Colômbia e Uruguai, disse o CEO da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, em videoconferência com jornalistas.

"É a primeira vez em que Athena passa em um trimestre inteiro a operação brasileira, em receita", afirmou o executivo.

A receita bruta da Minerva foi de 6,1 bilhões de reais no primeiro trimestre, alta de 37,7% no comparativo anual. Deste montante, 3,06 bilhões correspondem a Athena (+60,8%) e 2,68 bilhões são provenientes da unidade do Brasil (+26,4%).

A receita líquida alcançou 5,8 bilhões de reais entre janeiro e março, avanço de 39,3% ante igual período do ano anterior.

O diretor financeiro e de Relações com Investidores da Minerva, Edison Ticle, acrescentou que mesmo com a restrição na oferta de gado terminado para abate no Brasil, a diversificação geográfica da empresa conseguiu compensar o "desbalanceamento de oferta e demanda".

Segundo dados da companhia, o volume total de abates do primeiro trimestre cresceu 15,1% no comparativo anual, para 862 mil cabeças. Isso porque os abates da Athena subiram 39,3%, para 552,2 mil cabeças, enquanto no Brasil esse percentual caiu 12,2%, para 309,8 mil.

Na mesma linha, o volume de vendas de carne da empresa aumentou 14,1% de janeiro a março, ante igual período de 2020, para 290,4 mil toneladas, puxada pelas vendas da Athena, que tiveram incremento de 38%, compensando a queda de 9,5% na comercialização vinda da unidade brasileira.

"Como no Brasil passamos por um ciclo mais negativo no curto prazo, as margens no Brasil não tendem a se ampliar (tanto) como em outras regiões da América do Sul", estimou Ticle sobre o cenário de mercado para os próximos meses.

Sobre as exportações, o CEO da Minerva disse que o quadro é positivo, com preços em alta impulsionados pelo sudeste asiático e América do Norte.

"Temos também a situação estrutural que vem da febre suína, menos letal mas continua se espalhando e somada com isso a situação de Austrália, que continua bastante complicada, com o menor número de abate em 36 anos", citou Queiroz sobre questões que pressionam a oferta global de carne vermelha.

"O mercado asiático segue apresentando forte demanda (por carne), com destaque para a China que, com 35% da receita de exportação, permanece como nosso principal destino, além do crescimento em outros mercados relevantes como Filipinas, Indonésia e Tailândia."

Além disso, Queiroz afirmou que há expectativa de novas aberturas de mercado para exportação a países como Coreia do Sul e Canadá.