Mercado fechado

Lucro da M. Dias Branco sobe 97% no 3º tri para R$265 mi; receita bate recorde

Por Nayara Figueiredo
·3 minuto de leitura
Produção de massas em panificadora de São Paulo (SP)
Produção de massas em panificadora de São Paulo (SP)

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia de alimentos M. Dias Branco reportou lucro líquido de 265 milhões de reais no terceiro trimestre, um salto de 97,3% na comparação anual puxado pela receita de 2 bilhões de reais obtida no período, um recorde trimestral, afirmou a empresa nesta sexta-feira em balanço financeiro.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 74,4%, para 328 milhões de reais.

A empresa, líder nos mercados de biscoitos e massas no Brasil, ainda registrou recorde no volume produzido, de 875 mil toneladas.

"O consumo continuou forte...Mesmo durante a pandemia, a gente lançou produtos, alavancou o que já havia lançado (recentemente) e tivemos uma boa contribuição destes produtos", disse à Reuters o diretor de Relações com Investidores da M. Dias, Fábio Cefaly.

Ele destacou que a receita atingiu 5,5 bilhões de reais no acumulado dos nove primeiros meses do ano, alta de 25,9%, impulsionada dentre outros fatores pela rotina de isolamento social contra o novo coronavírus, que fez com que as pessoas passassem a cozinhar mais em casa, consumindo massas, por exemplo.

As recentes máximas nos preços do arroz também foram mais um gatilho para o consumo de massas no último trimestre.

"Podemos, sim, associar o aumento de consumo de massas em detrimento do arroz, porque são produtos substitutos", avaliou o executivo.

Exportações aquecidas, aumento na demanda interna durante a pandemia e problemas de safra em fornecedores globais impulsionaram as vendas de arroz durante o ano, gerando escassez do cereal nacional e recorde de preços.

Agora, o país está buscando arroz no mercado internacional e, enquanto as importações não pressionam as cotações, parte da demanda doméstica é deslocada para o macarrão.

O bom momento de consumo permitiu que a companhia ampliasse os investimentos em marketing, disse Cefaly, o que contribuiu para a geração de caixa e redução da alavancagem.

A relação entre dívida líquida e Ebitda caiu para 0,2x no terceiro trimestre, abaixo do 0,4x registrado no trimestre imediatamente anterior e do 0,7x obtido um ano antes.

"Liberamos 138 milhões de reais em capital de giro no acumulado de janeiro a setembro", afirmou o diretor. "Estamos fazendo essa travessia (da pandemia) com o balanço muito sólido, totalmente habilitado para seguir investindo", acrescentou.

TRIGO vs CÂMBIO

Cefaly disse que o desafio de curto prazo, além de todas as questões da pandemia, é o câmbio, que continua afetando as margens da companhia.

Segundo ele, somente no terceiro trimestre o cereal aumentou 22% em relação ao mesmo período de 2019, enquanto o preço médio do portfólio de produtos da M. Dias Branco subiu apenas 3%, em igual comparação.

"Ainda não sentimos recuo no preço do trigo com a entrada da safra nacional. A produção mundial é suficiente para atender a demanda, mas alguns fatores estão criando algum tipo de volatilidade. E, no preço do cereal em reais, o principal ofensor é o câmbio", explicou.

Ao comentar fatores que estão influenciando a volatilidade das cotações globais do trigo, o executivo destacou a formação de estoques em alguns países por temores de segunda onda da Covid-19 e casos de seca entre fornecedores, como Argentina e Rússia.

(Por Nayara Figueiredo)