Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,42
    +1,44 (+1,80%)
     
  • OURO

    1.815,30
    +5,70 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    17.208,82
    +250,55 (+1,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,40
    +5,98 (+1,49%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.800,15
    +22,25 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    11.992,75
    -17,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5015
    +0,0075 (+0,14%)
     

Lucro da Copel cai com menor despacho térmico e efeito da inflação em transmissão

Torres de linha de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica paranaense Copel registrou um lucro líquido ajustado de 403,4 milhões de reais entre julho e setembro deste ano, 46,9% abaixo do reportado um ano antes, conforme balanço divulgado na noite de quinta-feira.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado recuou 11,8%, para 1,13 bilhão de reais no trimestre.

Os ajustes realizados no lucro líquido e Ebitda refletem principalmente a exclusão do reconhecimento, no terceiro trimestre de 2021, da compensação referente à repactuação do risco hidrológico (GSF). Essa medida, que estendeu a outorga de usinas hidrelétricas da Copel, teve efeito de mais de 1,5 bilhão de reais no resultado de um ano atrás.

O desempenho trimestral da elétrica estatal foi afetado principalmente pelo não acionamento da usina termelétrica Araucária no período, o que reduziu a receita de suprimento de energia, e pelo efeito negativo do IPCA sobre os ativos de transmissão de energia.

Já do lado positivo, a Copel destacou um resultado melhor de sua unidade de distribuição de energia no trimestre, além do impacto positivo da melhora do cenário hidrológico nos ativos de geração.

Em relatório, a elétrica paranaense destacou ainda aquisição, anunciada no mês passado, de complexos de geração eólica da EDP Renováveis. A transação, que somou 1,8 bilhão de reais, envolve parques de geração no Rio Grande do Norte com 260,4 megawatts (MW) de capacidade instalada.

(Por Letícia Fucuchima)