Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.162,64
    +394,59 (+2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Lucro da CCR desaba 72% no 3º tri, afetado por pandemia, dólar e depreciação

Por Aluisio Alves
·2 minuto de leitura
.
.

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A CCR teve forte queda no lucro do terceiro trimestre, uma vez que os efeitos negativos da pandemia foram amplificados com a alta do dólar e maiores despesas com depreciação de ativos perto do fim da concessão.

A administradora de concessões de infraestrutura informou nesta quarta-feira que seu lucro ajustado de julho a setembro, considerando bases comparáveis, foi de 93,3 milhões de reais, queda de 71,9% ante mesma etapa de 2019.

Por um lado, a receita líquida caiu 10,9% ano a ano, para 2,1 bilhões de reais, uma vez que concessões administradas pela CCR como rodovias, aeroportos e de mobilidade urbana seguiram com níveis de tráfego ainda abaixo dos verificados antes de março, quando medidas de isolamento social foram tomadas.

Na última semana de outubro, o tráfego comparável de veículos nas rodovias sob administração da CCR cresceu ante mesmo período de 2019, o que não acontecia desde março.

"A recuperação nas estradas já voltou, mas em aeroportos e em mobilidade urbana isso só deve acontecer ao longo de 2021", disse o gestor de relações com investidores da CCR, Marcus Vinícius Vieira.

Outro fator que pressionou a última linha do resultado foram as despesas ligadas a ativos da CCR no exterior, como operações ligadas a aeroportos na América Central e nos Estados Unidos.

Por fim, a CCR teve maiores despesas com depreciação referentes às concessões da Via Dutra, que liga Rio de Janeiro e São Paulo; e a RodoNorte, no Paraná. As despesas de ativos próximos do fim do período de concessão em geral crescem.

O período de concessão da Via Dutra sob a CCR termina em fevereiro próximo. O governo federal pretende levar a concessão do ativo a leilão em abril. A concessão da RodoNorte termina em novembro do ano que vem.

"Estamos famintos para participar do leilão da Via Dutra", disse Vieira, acrescentando que a empresa pode participar tanto sozinha quanto em consórcio, mas que será disciplinada com sua estrutura de capital. "Se tiver uma modelagem adequada para o leilão, seremos bastante competitivos."

A CCR também se mostra disposta a participar do leilão de um conjunto de mais de 20 aeroportos regionais, que o governo federal deve realizar no primeiro semestre de 2021.

O resultado operacional da CCR medido pelo lucro antes de impostos, juros, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado no terceiro trimestre foi de 1,26 bilhão de reais, queda de 16,5% ano a ano, considerando as mesmas bases.

A previsão média de estimativas compiladas pela Refinitiv para essa linha era de 1,3 bilhão de reais. Não ficou imediatamente claro se os números são comparáveis.

(Edição Paula Arend Laier)