Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.157,43
    -619,18 (-1,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Lucro da Caixa mais que dobra e atinge R$ 6,3 bi no 2º trimestre

·5 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas em frente à agência da Caixa, em São Paulo. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO: Movimentação de pessoas em frente à agência da Caixa, em São Paulo. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Caixa Econômica Federal reportou, nesta quinta-feira (19), um lucro de R$ 6,3 bilhões no segundo trimestre deste ano. O valor representa uma alta de 144,7% frente ao mesmo período do ano anterior e é o maior resultado para um segundo trimestre da história do banco estatal.

Em relação aos três meses imediatamente anteriores, o resultado cresceu 36,6%. No primeiro semestre, o lucro totalizou R$ 10,8 bilhões, aumento de 93,4% em relação a igual período de 2020.

O desempenho do segundo trimestre foi resultado de uma melhora das margens financeiras e do crescimento da carteira de crédito, além de uma redução nas despesas com reservas para cobrir eventuais calotes.

A carteira de crédito total do banco somou R$ 816,3 bilhões no final de junho, crescimento de 13,4% na comparação ano a ano. Tal performance foi influenciada pelo avanço da carteira comercial para pessoas jurídicas, que subiu 61,1% em 12 meses, para R$ 73,6 bilhões —impulsionada principalmente para os empréstimos feitos às micro e pequenas empresas.

O crédito para habitação, principal fonte de receita da Caixa, subiu 9,2% no período, totalizando R$ 529,5 bilhões. A carteira voltada para o agronegócio subiu 45,7%, para R$ 10,2 bilhões, enquanto a carteira comercial para pessoas físicas atingiu R$ 96,7 bilhões, avanço de 18,5%. Os empréstimos voltados para infraestrutura tiveram alta de 6,6% na comparação ano a ano, para R$ 91,3 bilhões.

Relatório divulgado pelo banco nesta quinta aponta também foram concedidos R$ 100,7 bilhões em crédito para a população brasileira no segundo trimestre, acréscimo de 4,8% em relação a igual intervalo de 2020.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou nesta quinta-feira (19) que o resultado do banco deveria estar entre R$ 8 bilhões e R$ 9 bilhões no trimestre. A diferença das cifras reflete a redução da remuneração do FGTS, que é de responsabilidade do banco estatal.

Segundo Guimarães, a redução da taxa de administração, que foi de 1% para 0,47%, teve um impacto de quase R$ 3 bilhões no lucro líquido da Caixa, já que o banco não paga imposto em cima desta receita específica.

Outro ponto levantado pelo presidente da Caixa que impacta no resultado seria a necessidade de provisionar perdas econômicas por problemas advindos de gestões passadas, entre 2009 e 2015.

"Temos mais de R$ 46 bilhões de perdas econômicas geradas no passado, todas investigadas pelo Ministério Público e pela polícia federal. Houve mais de R$ 5 bilhões em provisões que não haviam sido feitas, em especial para empresas que acabaram indo para recuperação judicial", disse Guimarães em entrevista a jornalistas nesta quinta.

As despesas com provisões totalizaram R$ 2,6 bilhões no segundo trimestre, uma queda de 8,1% em relação a igual período de 2020. Em relação aos três meses anteriores, o número corresponde a um avanço de 1,7%.

A inadimplência acima de 90 dias do banco ficou em 2,46% em junho deste ano —uma queda de 0,02 p.p. (ponto percentual) em relação a igual período de 2020, mas uma alta de 0,42 p.p. em comparação aos três meses anteriores.

A margem financeira alcançou R$ 11,1 bilhões, alta de 19,7% . "O crescimento [da margem financeira] é decorrente do aumento de 8,2% nas receitas com operações de crédito e da redução de 10% nas despesas de recursos de clientes, principalmente", afirmou o banco em relatório.

O ROE (retorno sobre o patrimônio líquido) do banco, aumentou 2,68 p.p., para 19,01%. O índice de Basileia ficou em 20,1% e o de capital de nível 1 em 15,6%.

Em relação aos desinvestimentos que o banco tem feito, o presidente da Caixa afirmou que pretende fechar a CaixaPar —braço de participações do banco estatal.

"Basicamente todos os investimentos da CaixaPar deram problemas. Nós já terminamos diversas operações com outros parceiros que eram uma máquina de prejuízo. O tempo inteiro nós fomos focados em resolver problemas do passado e vender todos os ativos", afirmou Guimarães.

"Vamos fechar a CaixaPar porque não há sentido a Caixa ter uma empresa de participações. A Caixa é o banco dos pobres, de todos os brasileiros, do auxílio emergencial, da micro e pequena empresa e do Casa Verde Amarela. Mas certamente não é [o banco] do patrocínio de clube de futebol e nem de ficar fazendo empresa sem ter uma participação transparente na escolha dos sócios", completou.

O banco somou mais de R$ 5 bilhões em desinvestimentos até junho.

Sobre os planos de abertura de capital, Guimarães afirmou que o foco do banco está em fazer o IPO (oferta pública inicial de ações) da sua gestora, Caixa Asset, e da Elo —bandeira de cartões que tem a Caixa, o Banco do Brasil e o Bradesco como acionistas— até o começo do ano que vem.

"A Asset é a mais madura entre as holdings porque estamos crescendo fortemente. O crescimento de previdência da [Caixa] Seguridade é mais um motivo de crescimento da Asset, bem como a migração dos fundos e a abertura de agências", afirmou.

Segundo o executivo, a empresa está estruturada, mas ainda aguarda a aprovação do Banco Central para atuar. Depois disso a Caixa precisará migrar todos os fundos de investimentos líquidos para a companhia —o que levaria cerca de 20 dias—, e a Asset precisará de pelo menos um trimestre em operação para serem apresentados em um balanço de resultados.

Sobre a Elo, Guimarães afirmou que as negociações entre os três sócios estão avançadas, bem como a discussão para uma decisão se a abertura de capital da bandeira será feita no Brasil ou nos Estados Unidos. Os planos de IPO para a Caixa Cartões, braço de meios de pagamentos, só devem seguir depois da abertura de capital da bandeira.

"A Caixa Cartões está bem estruturada, mas a questão é se há a necessidade nesse momento, antes da maturidade maior das das operações que fizemos há pouco tempo. É importante que essas operações amadureçam um pouco, porque se não a Caixa Cartões fica muito dependente dos resultados da Elo. Ela tem que mostrar as outras vertentes de pré-pago, adquirência e fidelidade", disse o presidente da Caixa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos