Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,03
    -0,46 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.869,00
    +1,00 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.280,77
    -1.102,80 (-2,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.215,94
    -37,20 (-2,97%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.876,00
    -530,84 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    13.177,50
    -34,50 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

Lucro da BB Seguridade cresce 10,7% no 1º tri, com melhor resultado financeiro

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A BB Seguridade, braço de seguros e previdência do Banco do Brasil, anunciou nesta segunda-feira que teve lucro líquido de 977,06 milhões de reais no primeiro trimestre, alta de 10,7% ante mesma etapa de 2020, beneficiada pela maior rentabilidade de suas aplicações.

A companhia explicou que a alta nos índices de inflação atualizaram os ativos de benefício definido do seu braço de previdência, Brasilprev, em ritmo superior aos dos passivos.

No conjunto, os prêmios emitidos pela unidade de seguros Brasilseg no trimestre cresceram 7,3% ano a ano, enquanto as reservas de previdência (PGBL e VGBL) da Brasilprev cresceram 6,4% em 12 meses, no ritmo esperado para o ano.

No entanto, o resultado operacional no período ainda ficou abaixo do crescimento projetado, de 8% a 13% para o ano, já que a companhia teve gastos maiores com pagamentos de indenizações, principalmente devido aos efeitos da pandemia de Covid-19, como por morte de segurados. Além disso, a companhia teve menores receitas de corretagem com bônus de performance na BB Corretora, devido à queda em prêmios de seguro prestamista.

A companhia previu que o avanço da vacinação nos próximos meses e a esperada redução de mortes por Covid-19 permitirão uma "retomada mais plena da atividade econômica, o que favorece a

performance comercial e os indicadores de sinistralidade".

(Por Aluísio Alves)