Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.927,00
    +32,48 (+0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Lucro da Ambev cai 9,4% no 3º tri, mas receita cresce

·3 minuto de leitura
.
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Ambev divulgou nesta quinta-feira uma queda de 9,4% no lucro líquido do terceiro trimestre, com aumento de despesas e a pandemia de coronavírus ainda pressionando margens, embora tenha mostrado crescimento de volumes e receita.

A unidade latino-americana da Anheuser Busch InBev informou que o lucro líquido ficou em 2,36 bilhões de reais no trimestre encerrado em 30 de setembro, ante 2,6 bilhões de reais um ano antes. Em termos ajustados, subiu 2,2%, a 2,5 bilhões de reais.

A receita líquida cresceu 30,5%, para 15,6 bilhões de reais, enquanto o volume alcançou 42,4 milhões de hectolitros. Em termos orgânicos, houve alta de 15,1% e 12%, respectivamente.

A receita líquida cresceu no Brasil (21,2%), na América Central e Caribe (CAC) (1,9%), na América Latina Sul (15,1%) e no Canadá (6,4%), também considerando desempenho orgânico. No Brasil, o volume cresceu 19,8% e a receita líquida por hectolitro aumentou 1,2%.

"Todos os países apresentaram melhorias sustentadas de volume a partir do segundo trimestre à medida em que as restrições foram gradualmente flexibilizadas nos países em que operamos, com algumas exceções", afirmou a fabricante de bebidas.

"Em Cerveja Brasil, nós tivemos uma performance consideravelmente melhor que a indústria, impulsionados pela implementação bem sucedida da nossa estratégia comercial, adaptabilidade do nosso calendário de preços e efeito líquido positivo dos subsídios governamentais no suporte à renda disponível dos consumidores", acrescentou.

O custo dos Produtos vendidos (CPV) aumentou em 26,6%. Em uma base por hectolitro, o CPV aumentou 13%. A despesa com vendas, gerais e administrativas (SG&A) subiu 8,9%.

O resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em 5 bilhões de reais, alta de 15% ano a ano, enquanto a margem caiu para 32,5%, de 36,9% em igual período de 2019.

O resultado financeiro, por sua vez, ficou negativo em 1,1 bilhão de reais, ampliando em relação ao resultado negativo de 305,8 milhões de reais. Entre as razões para tal desempenho, a companhia citou despesas com juros de 539,3 milhões de reais e perdas com instrumentos derivativos de 562,7 milhões de reais, com custo de carrego de hedges cambiais, entre outros.

De acordo com a Ambev, o fluxo de caixa das atividades operacionais foi de 7 bilhões de reais no período, alta de 99,3% ano a ano, enquanto os investimentos (capex) alcançaram 1,1 bilhão de reais, queda de 29,5%.

"O impacto total da pandemia da Covid-19 em nossos resultados futuros permanece incerto, mas nossas ações serão orientadas no sentido de manter o momentum da nossa recuperação em formato de 'V' dos volumes e da receita", citou a empresa, acrescentando que o cenário continua desafiador.

As ações acumulam queda de 28% em 2020, enquanto a empresa luta contra uma forte concorrência que pressiona os preços.

(Por Paula Arend Laier, reportagem adicional de Christian Plumb em São Paulo e Bhargav Acharya em Bangalore)