Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.925,60
    -1.560,41 (-1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.457,55
    -227,31 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,46
    +0,24 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.817,20
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    16.967,58
    -191,47 (-1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,44
    -4,71 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.076,57
    -3,54 (-0,09%)
     
  • DOW JONES

    34.395,01
    -194,76 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.558,49
    -14,56 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.037,00
    -25,75 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4682
    +0,0717 (+1,33%)
     

Lucro do BV cai 4% no 3º tri, com piora no mercado de veículos

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O BV teve leve queda no lucro do terceiro trimestre, afetado pela desaceleração na sua atividade principal de financiamento de veículos usados e por maiores provisões para perdas com calotes.

A instituição controlada por Grupo Votorantim e Banco do Brasil anunciou nesta segunda-feira que seu lucro líquido recorrente de julho a setembro somou 387 milhões de reais, baixa de 4% ante o mesmo período de 2021. A rentabilidade sobre o patrimônio caiu 1,3 ponto percentual, a 12,6%.

Segundo o presidente-executivo do BV, Gabriel Ferreira, esse resultado refletiu a fraqueza do mercado de financiamento de veículos usados, "que teve a maior queda nos últimos 10 anos, em um ambiente de alto endividamento das famílias".

A estoque de empréstimos do BV fechou setembro em 78,3 bilhões de reais, alta de 4% em 12 meses, com a carteira de veículos encolhendo 4%, com o preço dos carros usados caindo forte no comparativo anual, ao mesmo tempo em que o banco conteve as concessões num ambiente de taxa de juros mais alta.

Em um cenário de renda do consumidor pressionada pelo efeito combinado de inflação e juros mais altos, o índice total de atrasos superiores a 90 dias subiu 1,1 ponto percentual ano a ano (0,5 ponto sequencial), para 4,8%. A provisão para perdas esperadas com calotes aumentou 37,7%.

"Os índices de inadimplência convergiram para níveis mais similares aos de antes da pandemia mais rápido do que esperávamos", disse Ferreira em entrevista à Reuters.

Um efeito ainda maior desse ambiente adverso foi amortecido em parte no BV pelo performance mais positiva de segmentos como a carteira de atacado e do que o banco chama de avenidas de crescimento, caso do crédito para compra de painéis solares, cuja carteira quase dobrou em um ano.

O executivo disse que o BV tem histórico de renegociar um percentual muito baixo dos empréstimos que concede, o que foi mantido no último trimestre, mas não deu detalhes. Ele disse ainda que a empresa não fez revenda de carteiras no período.

Ferreira se disse confiante na capacidade do BV de "pilotar o ciclo de crédito" e que o esforço do banco para os próximos trimestres será no sentido de evitar novos aumentos dos índices de inadimplência, embora tenha alertado para a possibilidade de possível alta dos atrasos em empréstimos para grandes empresas.

O chamado "NPL creation", espécie de prévia do índice 90 dias, somou 965 milhões de reais no trimestre, 45,6% maior em 12 meses.

(Edição Paula Arend Laier)