Mercado abrirá em 1 h 50 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,01
    +0,24 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.851,40
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    32.068,23
    -1.399,66 (-4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    646,74
    -0,58 (-0,09%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.678,67
    +39,82 (+0,60%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.429,75
    -45,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Luciano Huck defende a vacinação contra covid-19 no Brasil: “Não importa a origem”

Patrick Monteiro
·1 minuto de leitura
Luciano Huck é alvo de ataques no Twitter (Divulgação / TV Globo)
Luciano Huck defende vacinação (Divulgação / TV Globo)

Luciano Huck é contra a polarização política em torno da vacinação contra a covid-19. O apresentador, que é um forte candidato a disputar a presidência da república em 2022, falou sobre o tema nas redes sociais.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

“Não importa a origem, nem quem a distribui. O foco é na eficácia científica. Se as agências regulatórias aprovam e os requisitos de segurança são atendidos, vacina salva-vidas e é o caminho mais seguro para levar a vida de volta à normalidade. Não é hora de dividir, mas de somar”, escreveu no Twitter.

Leia também

A declaração de Luciano se dá uma semana antes da data desejo de início da vacinação do governo de São Paulo, dia 25/1, com o imunizante do Butantan. O Ministério da Saúde, de Jair Bolsonaro, quer começar a imunização com a vacina de Oxford no dia 20.

Entretanto nenhuma das duas vacinas ainda tem liberação da Anvisa para serem aplicadas no país. O Butantan já produziu mais de 6 milhões de doses do seu produto e aguarda apenas a liberação do órgão regulador para iniciar a aplicação.

Já a Fiocruz, que produz a vacina em parceria com a universidade de Oxford e a farmacêutica Astrazenica, ainda não produziu nenhuma dose no Brasil por faltar um componente farmacêutico que é produzido na China e ainda não foi importado pelo Ministério da Saúde.