Mercado abrirá em 13 mins
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,62
    +0,23 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.828,60
    +24,00 (+1,33%)
     
  • BTC-USD

    39.724,04
    -287,34 (-0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    931,30
    +1,37 (+0,15%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.081,99
    +65,36 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    26.315,32
    +841,44 (+3,30%)
     
  • NIKKEI

    27.782,42
    +200,76 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    15.005,25
    -6,25 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0318
    -0,0267 (-0,44%)
     

Loopi capta US$ 5 milhões com foco em vendas por vídeo; conheça a startup

·2 minuto de leitura

O social commerce, setor de vendas via redes sociais, vem migrando para os vídeos há algum tempo, como mostram os experimentos do YouTube, Instagram e TikTok, para ficar nos mais famosos. Mesmo levando em conta esse potencial, o aporte recebido pela startup brasileira Loopi foi além das expectativas mais otimistas. Ela conseguiu US$ 5 milhões em uma recente rodada de investimento seed, voltada para melhorar o serviço e pesquisar o público-alvo do negócio. Nada mal para uma empresa criada em abril deste ano.

A empresa aposta em um formato diferente de e-commerce. As demais plataformas costumam apresentar os produtos como um catálogo online, com imagens, descrição e preço. Mas, no app da Loopi (iOS, Android), influenciadores e criadores de conteúdo fazem vídeos explicativos e lives sobre os itens. Se o cliente gostar deles, poderá arrastá-lo para um carrinho e realizar a compra. A startup repassa parte do valor das vendas para os criadores e as marcas. Estas também se responsabilizam pelas entregas.

A ideia tem influência no oriente: seus fundadores, Cesario Martins (fundador da ClickBus), Felipe Brasileiro (fundador da Parafuzo) e Ricardo Bechara (ex-diretor geral da Rappi no Brasil), se inspiraram no mercado da China, onde a tendência de video commerce já é um sucesso há anos.

Imagem: Divulgação/Loopi
Imagem: Divulgação/Loopi

A maior parte do aporte veio dos fundos brasileiros Monashees, Canary e One.vc, além do alemão GFC e investidores-anjo como Hans Tung, sócio do fundo americano GGV, e Sebastián Mejía e Simon Borrero, fundadores da Rappi.

Em entrevista à Exame, Bechara diz que o ponto forte do conceito é a parceria com os criadores de conteúdo e influenciadores. A ideia é que eles tenham liberdade para selecionar produtos que irão divulgar. "A quantidade de informação que um vídeo passa é melhor que uma pesquisa de 30 minutos online", disse o empresário.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos