Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,42
    -0,24 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.784,40
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    31.299,87
    -4.417,30 (-12,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.132,00
    +2,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9733
    -0,0628 (-1,04%)
     

LongPing inicia pesquisa com soja no Brasil em parceria com universidade chinesa

·1 minuto de leitura
Agricultor prepara máquina com sementes de soja

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - A unidade da companhia chinesa de sementes LongPing High-Tech no Brasil fechou um acordo com uma universidade do país asiático para melhorar a qualidade de suas sementes de soja, informou a empresa em comunicado enviado à Rueters nesta sexta-feira.

O Brasil, segundo maior produtor e exportador de soja do mundo, vende a maior parte de sua safra para a China, que processa o grão para transformá-lo em óleo de cozinha e farelo de soja, utilizado como ração.

Como resultado da parceria, a LongPing High-Tech já recebeu variedades de sementes da China e está no processo de conclusão e envio de materiais genéticos da soja brasileira para pesquisadores chineses.

"A China é um dos países de origem da soja, com um rico germoplasma para compartilhar", disse Edimilson Linares, vice-presidente de Pesquisas e Desenvolvimento da LongPing. "O Brasil, com décadas de sucesso na melhoria (da soja), é um mercado global muito importante na cadeia de grãos."

A companhia disse que unirá esforços com a Universidade Agrícola do Sul da China, que é copatrocinada pela província de Guangdong e pelo Ministério da Agricultura chinês, para pesquisar potenciais novas variedades de soja em um pólo no Estado de São Paulo.

A LongPing High-Tech afirmou que esta é a primeira vez em que embarca na pesquisa de sementes de soja no mercado brasileiro, pois até agora se mantinha concentrada no milho.

A empresa, que compete com nomes como Corteva e Syngenta, acrescentou que o movimento é parte de uma estratégia de expansão de seus negócios no Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos