Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.128,25
    +3.172,80 (+8,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1965
    +0,0430 (+0,70%)
     

Londres e Edimburgo minimizam risco de batalha judicial pela independência da Escócia

·1 minuto de leitura

LONDRES (Reuters) - Políticos britânicos e escoceses minimizaram neste domingo o risco de uma batalha legal sobre se a Escócia pode realizar um referendo de independência, mas forneceram pouca clareza sobre como Londres e Edimburgo resolveriam suas diferenças sobre o assunto.

Os partidos pró-independência conquistaram a maioria no parlamento escocês nas eleições realizadas na quinta-feira, e a primeira-ministra Nicola Sturgeon disse que isso lhe deu um mandato para avançar com planos para uma nova votação sobre a independência assim que a pandemia COVID-19 acabar.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson e seu Partido Conservador, que está na oposição na Escócia, se opõem fortemente a um referendo, dizendo que a questão foi resolvida em 2014, quando os escoceses votaram contra a independência por 55% a 45%.

Com a especulação crescente de que o governo britânico iria ao tribunal para impedir um referendo, o ministro Michael Gove foi repetidamente questionado durante entrevistas na TV neste domingo como Londres lidaria com a questão escocesa.

Ele se recusou a dar quaisquer detalhes, argumentando que o povo escocês quer que os políticos se concentrem em questões como a recuperação da pandemia e como consertar problemas como resultados educacionais ruins para os alunos escoceses e alto consumo de drogas.

No entanto, Gove pareceu afastar a ideia de uma batalha no tribunal. Questionado na BBC se o governo iria ao tribunal para impedi-la de realizar um referendo, ele disse: "Não, a primeira coisa que devo dizer é parabéns a Nicola (sobre sua vitória na eleição)."

(Por Estelle Shirbon)