Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.515,77
    +1.905,17 (+3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Londres e Bruxelas alcançam acordo pós-Brexit sobre serviços financeiros

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Vista de prédios no centro financeiro de Londres em 3 de julho de 2019

O Reino Unido e a União Europeia chegaram a um acordo pós-Brexit para cooperar na regulamentação de serviços financeiros, anunciou o Tesouro britânico nesta sexta-feira (26).

O pacto, que ainda não foi assinado, permitirá um diálogo contínuo sobre os serviços financeiros, de acordo com um breve comunicado.

O setor financeiro, crucial para Londres e seu poderoso centro financeiro, havia sido deixado de fora do grande acordo de livre comércio pós-Brexit alcançado entre as duas partes em cima da hora, pouco antes do Natal.

Embora se tenha chegado a um acordo sobre o comércio de mercadorias, o que não impediu uma queda nas transações, o Brexit foi encerrado brutalmente em 1º de janeiro, ao fim do período de transição, com uma cooperação em questões econômicas.

Os detalhes do novo acordo ainda não foram divulgados, mas o texto deve ser publicado antes do final de março, prazo estabelecido pelo Reino Unido e a UE.

The City, o poderoso coração financeiro de Londres, não esperava um acordo muito ambicioso, levando em consideração o peso das finanças na economia britânica: cerca de 7% do PIB e 10% da receita tributária do país, ou seja, 76 bilhões de libras (105 bilhões de dólares).

É improvável que seja resolvida a questão crucial das equivalências, que permite que as empresas financeiras do Reino Unido operem no continente.

As equivalências são a única esperança para os profissionais do setor, mas não são o ideal, já que devem ser concedidas a cerca de 40 áreas de atividades, têm duração limitada e são facilmente revogáveis.

Até agora, Bruxelas concedeu apenas duas ao Reino Unido, enquanto Londres concedeu 17: uma permite que investidores europeus usem as câmaras de compensação britânicas e a outra se refere a depósitos de valores.

A perda do passaporte financeiro europeu, que permitia aos investidores oferecer seus serviços de Londres para toda a União Europeia, começa a abalar The City.

Amsterdã superou Londres na negociação de ações europeias. Cerca de 6 bilhões de euros (7 bilhões de dólares) foram para a UE no primeiro dia de negociação após a saída do Reino Unido do mercado único.

jbo-acc/jz/ic/mvv