Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.003,45
    -44,84 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Lojistas reclamam por não terem sido convidados para 'Black Friday patriota'

Redação Finanças
Foto: Getty
Foto: Getty

Pequenos e médios lojistas estão insatisfeitos com o projeto “Semana do Brasil”, anunciado pelo governo federal na semana passada com a proposta de funcionar como uma “Black Friday patriota”.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos), Tito Bessa Junior, que representa lojas de shoppings com até 180 metros quadrados, afirmou à Folha de S.Paulo que a categoria não foi convidada para o evento.

Leia também

“Black Friday” patriótica do governo Bolsonaro, a Semana do Brasil, que acontece nos dias 6 a 15 de setembro, já tem a adesão de 4.680 empresas segundo o governo.

Entre os varejistas que confirmaram participação no evento estão Casas Bahia, Ponto Frio, Polishop, Pão de Açúcar, Bradesco e Bob's, entre outras. Já a Ablos diz que nenhum de seus 80 associados foi convidado para discutir a campanha com o governo.

Ainda assim, Bessa, que é fundador da rede TNG, confirmou que o setor vai aderir à campanha por descontos porque “as vendas no varejo estão baixas”. Mas o empresário manifestou receio em relação à Black Friday “de verdade”, em novembro.

“A Semana Brasil foi criada pelo governo e empresários do grande varejo e nós, empresários de lojas satélites, teremos que nos estruturar para poder atender nossos clientes com descontos atraentes. Temos em seguida a Black Friday, que será no final de novembro, resta saber como o consumidor irá se adequar às duas datas”, disse.