Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.114,94
    -306,10 (-1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Lojistas apontam vendas fracas no Natal

RIO DE JANEIRO, RJ, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Enquanto as associações que representam lojistas de shoppings ainda reúnem os dados das vendas de Natal com atraso neste ano, as estimativas apontam um período de vendas fraco.

Empresários do setor afirmam que seus resultados devem ficar entre 5% acima do patamar de dezembro do ano passado ou 5% abaixo, com casos pontuais de desempenho superior.

Os números melhores devem ficar concentrados em marcas de produtos de tíquete médio mais baixo, entre R$ 50 e R$ 60 de preço unitário, como bijuterias, cosméticos e similares, de acordo com um empresário.

Segundo Viktor Ljubtschenko, diretor da rede de lojas de pijamas e roupas íntimas Any Any, as vendas de Natal das lojas físicas empataram com o resultado de 2021. "No ecommerce, crescemos 5%, mas o tíquete médio caiu cerca de 10%. O varejo não está com grandes perspectivas", afirma.

Andrea Duca, diretora da rede de roupas femininas Gregory, calcula alta mais expressiva no online.

Pelos dados mais atualizados da ACSP (associação comercial), que abrangem apenas a primeira quinzena de dezembro, o crescimento real foi de 2,6% nas vendas em relação ao mesmo período do ano passado. Na comparação com 2019, a variação fica em 2,4%.