Mercado abrirá em 8 h 19 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,91
    +0,53 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.772,40
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    54.963,37
    -2.085,53 (-3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.237,66
    -61,30 (-4,72%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.105,73
    -0,42 (-0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.055,42
    -629,95 (-2,12%)
     
  • NASDAQ

    13.917,50
    +20,25 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6897
    +0,0140 (+0,21%)
     

Lojas-símbolo dos shoppings nos EUA miram futuro independente

Jordyn Holman e Lauren Coleman-Lochner
·4 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Lojas de shopping importantes como Macy’s, Kay Jewelers e Gap estão desenhando um futuro pós-Covid - e os shopping centers tradicionais não terão tanta influência nisso.

A Signet Jewelers, que possui redes como Kay e Zales, disse na semana passada que vai se expandir em locais fora dos shoppings, enquanto continua a se afastar desses locais onde há muito tem uma presença importante. A empresa também planeja adicionar mais quiosques em mercados mal atendidos.

A mudança traz “uma oportunidade para um modelo econômico melhor”, Joan Hilson, diretora financeira da Signet, disse em entrevista. “O tráfego de pedestres em locais fora do shopping é melhor do que o que estamos vendo no shopping, certamente neste momento. Isso é muito importante e vemos essa mudança continuando.”

As varejistas estão abandonando os shoppings em números crescentes enquanto o aumento das compras online transforma a indústria - uma tendência que se acelerou durante a pandemia do coronavírus. Quase um terço dos diretores financeiros da área de varejo está planejando reduzir sua presença em shopping centers, de acordo com pesquisa recente da empresa de consultoria BDO EUA.

Isso está colocando em questão o futuro de centenas de shoppings tradicionais, que já enfrentavam dificuldades financeiras antes da pandemia, enquanto lutam com imóveis caros e menos inquilinos que querem estar lá.

“Mesmo aqueles que não entraram em crise estão sendo prejudicados pela falta de tráfego de pedestres no shopping”, disse David Berliner, chefe da prática de reestruturação e recuperação da BDO. Alguns estão falando sobre a transferência de lojas de shoppings para centros próximos, ancorados por comerciantes como Walmart “porque terão mais tráfego de pedestres do que no shopping agora”.

A Signet exemplifica esse tipo de mudança. A empresa fechou 395 lojas no ano passado, a maioria em shoppings, e planeja fechar outras 100 neste ano. Ao mesmo tempo, mudou 33 lojas de shopping para outros locais. Algumas de suas lojas outlet estão agora nos chamados centros de estilo de vida - mercados ao ar livre com restaurantes e outras atividades - e em locais próximos a lojas populares como a Ross Dress for Less. O negócio de noivas Kay da Signet, em particular, está se saindo melhor em locais fora dos shoppings.

Da mesma forma, a Gap disse em outubro que está se retirando dos shoppings devido ao aluguel alto e desempenho mais fraco. A empresa, dona da Banana Republic e Old Navy, além da rede homônima, quer 80% de suas lojas fora dos centros fechados até 2023.

A rede de lojas de departamentos Macy’s disse que está testando localizações fora dos shoppings em Dallas, Atlanta e na área metropolitana de Washington; a Bath & Body Works também busca ampliar os locais fora dos shoppings. A Sephora planeja abrir dezenas de lojas independentes além de 200 lojas este ano dentro da Kohl’s, que opera quase inteiramente fora dos shoppings.

Para as varejistas, há muitas vantagens em deixar os shopping centers da velha guarda. O aluguel pode ser “substancialmente” mais baixo em outros lugares, o horário de funcionamento é mais flexível, o estacionamento do cliente é mais fácil e os custos de construção são mais baixos, disse Ivan Friedman, CEO da RCS Real Estate Advisors.

A Bath & Body Works também citou “taxas de conversão significativamente mais altas” - uma referência à proporção de compradores que fazem uma compra - em teleconferência recente. As vendas nas mesmas lojas, uma métrica importante, foram cerca de duas vezes mais altas em seus locais fora dos shoppings no ano passado, disse a empresa.

“Todo mundo sentiu antes da Covid que operavam 20% de lojas físicas a mais”, disse Friedman.

Isso está prejudicando os shoppings desproporcionalmente. As taxas de ocupação no terceiro trimestre foram de cerca de 87% nos shoppings - o que significa que cerca de uma em cada oito vitrines estava vazia - em comparação com cerca de 92% em locais fora dos shoppings, de acordo com relatório da empresa de dados imobiliários Green Street. Em 2020, os proprietários também coletaram uma proporção maior de aluguéis de inquilinos em centros fora dos shoppings, sugerindo sua melhor saúde financeira.

O tráfego de pedestres nos shoppings diminuiu cerca de 30% em relação ao ano anterior, pior do que a queda nos centros comerciais, de acordo com a Green Street.

Os shoppings fechados já sofreram uma retração nas lojas especializadas, como lojas de discos, tornando-os excessivamente concentrados em roupas, uma categoria que enfrentou dificuldades durante a pandemia. Como disse Friedman, “A quantas lojas de sapatos diferentes você pode ir?.”

Essa sensação de mesmice está levando os consumidores a uma nova geração de centros ao ar livre que incluem moradias ou escritórios, disse Berliner da BDO.

“As pessoas querem voltar para esses centros de uso misto em vez dessas caixas fechadas retangulares, onde tudo é igual”, disse ele.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.