Mercado fechado

Loja não-oficial da Xiaomi no Brasil desaparece e deixa clientes na mão

Felipe Ribeiro

Comprar um Xiaomi é uma tarefa relativamente fácil no Brasil. Além da loja oficial, que chegou recentemente ao país, temos à disposição uma série de outras opções no e-commerce que importam os aparelhos da marca chinesa a preços bem competitivos, seguindo à risca a ideia da empresa. Eis que uma dessas lojas - talvez a mais famosa delas - encerrou suas atividades repentinamente e deixou muitos clientes a ver navios, sem entregar os produtos e, tampouco, devolver o dinheiro.

Antes de contarmos a história, lembramos que comprar um produto em uma loja não-oficial, não importa qual, deixa a compra mais vulnerável, pois a garantia, a procedência e até o atendimento pós-venda não terão a mesma qualidade do que em um estabelecimento oficial.

É o que aconteceu com clientes da loja Mi Store Brasil. Sim, o site tem o mesmo nome da loja oficial da Xiaomi. De acordo com apuração do site Mobizoo, o e-commerce simplesmente deixou de funcionar há pouco tempo, sem, ao menos, entregar boa parte das compras realizadas no período da Black Friday e do Natal. Para completar, esta loja não era tão famosa assim, mas acabou tendo sua presença impulsionada nas buscas do Google justamente após a chegada da loja física e oficial da Xiaomi.

Mesmo não sendo tão conhecido, o site em questão, que atuava sob o domínio "mistorebrasil.com", tinha - e ainda tem - inúmeras reclamações em portais como o Reclame Aqui, como entregas atrasadas, produtos que chegavam com defeito ou em péssimo estado, entre outros problemas. O pior: mesmo com o alto número de reclamações e a péssima reputação no mercado, o domínio era certificado como seguro pela TrustVox - a plataforma de coleta de reviews de produto e experiências de compra oficial do Reclame AQUI.

Página da Mi Store Brasil no Reclame Aqui  / Captura de tela: Bruno Salutes

Ainda segundo o Mobizoo, um grupo com clientes lesados foi criado no Telegram. As histórias são várias, mas o mais triste de tudo isso é que não há muito o que fazer em determinados casos, como compras feitas com boleto. Clientes que utilizaram o Mercado Pago ou o Pag Seguro, por exemplo, ao menos pegam seu dinheiro de volta sem maiores problemas. Um levantamento feito pelo site mostra ainda que o número de vítimas pode ultrapassar a marca de 1.000 clientes, com média R$ 1.200 de prejuízo para cada um, totalizando mais de R$ 1.200.000 em prejuízos.

Mas e a loja?

As próprias vítimas foram atrás de mais informações para seguir com eventuais processos e boletins de ocorrência. A Mi Store Brasil "falsa" pertencia à empresa Action Sales Companhia Digital LTDA , inscrita sob o CNPJ 29.497.760/0001-38. O detalhe curioso é que na fatura do cartão de muitas vítimas aparece o nome JCell e não Action Sales.

A JCell, proprietária de um quiosque com o mesmo nome (Mi Store Brasil) num shopping de Blumenau-SC, afirma que não possui nenhum vínculo com a Action Sales, mas os fatos mostram exatamente o contrário. Outro ponto: ao pagar via boleto, o cliente poderia ver que o beneficiário não era nenhuma dessas duas empresas, mas sim, a PAD Eletrônicos, que também é proprietária da loja Huawei Store Brasil, também não-oficial. Este comércio eletrônico, porém, continua funcionando. Ao acessar a área "sobre nós" deste site, nos deparamos com a seguinte frase:

A PAD Eletrônicos é uma das empresas do GRUPO ACTION que também é a gestora da conceituada loja www.mistorebrasil.com.

Informações encontradas no site Huawei Store Brasil / Captura de tela: Felipe Ribeiro

Lembrando que, logo após o fim da Black Friday, uma ação da Secretaria Estadual da Fazenda e Planejamento de São Paulo, apreendeu mais de 3 milhões em produtos da Xiaomi, na capital paulista. Contudo, não podemos afirmar se isso está diretamente ligado ao sumiço do site da Mi Store Brasil.

Em junho do ano passado, em sua página oficial no Facebook, a própria equipe da Xiaomi do Brasil alertou os seguidores sobre os perigos de compra em lojas não-oficiais no Brasil:

Declaração oficial da Xiaomi Brasil

Em contato com a equipe da Xiaomi no Brasil, recebemos a seguinte declaração:

A DL, importador e distribuidor oficial dos produtos da Xiaomi no Brasil, informa que tomou ciência do caso a partir das matérias publicadas na imprensa e que não tem qualquer envolvimento com a operação e a loja online em questão. A empresa reforça que os canais oficiais online são o e-commerce mi.com e a venda em marketplace nos canais B2W (Americanas.com, Submarino e Shoptime), Magazine Luisa, Via Varejo, Carrefour e Ricardo Eletro. Fisicamente, os produtos da Xiaomi de forma oficial estão disponíveis nas duas lojas da marca localizadas em São Paulo (Shoppings Ibirapuera e Center Norte) e em outros varejistas espalhados pelo Brasil.

Por fim, a empresa recomenda que as compras online sejam feitas apenas nos canais acima informados e, em caso de compras físicas, sempre solicitar a embalagem do produto para garantir a presença do selo Anatel, informações em português da origem do produto e que contenha ainda as informações claras do único importador oficial, a DL, em sua embalagem.

Nossa equipe está tentando entrar em contato com a Mi Store Brasil, loja não-oficial da Xiaomi, mas até o momento da publicação deste artigo não obtivemos sucesso.

Se você, leitor ou leitora do Canaltech, foi lesado ou lesada pela Mi Store Brasil, ou conhece alguém que esteja passando pelo mesmo problema, compartilhe sua experiência com nossa redação por meio dos comentários abaixo.

Atualização: este artigo foi atualizado às 20h30, do dia 13 de janeiro de 2020, com o posicionamento da Xiaomi sobre o assunto.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: