Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,07
    -1,60 (-2,55%)
     
  • OURO

    1.794,30
    +15,90 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    55.031,85
    -1.506,61 (-2,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.268,84
    +5,88 (+0,47%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.889,75
    +95,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Loft vale US$ 2,2 bilhões após aporte em preparação para IPO

Felipe Marques
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Mate Pencz encontrou Florian Hagenbuch pela primeira vez em 2008, quando os dois eram analistas em começo de carreira no banco de investimento do Goldman Sachs em Nova York. A passagem pelo banco americano -- curta, mas penosa, segundo Pencz -- fez os dois virarem amigos e acabou levando à criação de uma startup que vale US$ 2,2 bilhões no Brasil.

“Nós nos conhecemos no Goldman e lamentávamos juntos a experiência, o que nos tornou amigos”, disse Pencz em uma entrevista. “Você aprende muito, mas é muito doloroso.”

Pencz e Hagenbuch, ambos de 34 anos, são os fundadores da Loft, uma empresa brasileira que compra e vende casas usando ferramentas como as de um e-commerce. A Loft acaba de levantar US$ 425 milhões em uma rodada de financiamento liderada pela D1 Capital Partners, tornando-a uma das startups mais valiosas da América Latina. A rodada atraiu novos investidores, como Advent International, Canada Pension Plan Investment Board, GIC, DST, Tiger Global e outros, além de investidores já existentes, como a Andreessen Horowitz.

“Esta rodada serviu para trazer para a Loft investidores acostumados com empresas públicas”, disse Pencz. “Temos o objetivo de abrir o capital e a maioria dos investidores desta rodada espera por um IPO.”

A Loft está entre as empresas latino-americanas que ganharam impulso com a pandemia. O Brasil é um epicentro global para casos de Covid-19 e agora lidera o mundo em novas infecções. Com o governo cortando taxas de juros ao longo de 2020 para reanimar a economia, o crédito imobiliário ficou mais barato do que nunca. Ao mesmo tempo, as pessoas presas em casa começaram a procurar novos lugares para morar, disse Pencz.

“Os empréstimos imobiliários ficaram quase 30% mais baratos, mas os preços das casas não acompanharam”, disse ele. “As pessoas estão aproveitando a oportunidade para se mudar.”

Planos de Crescimento

A Loft, que tem cerca de 15.000 propriedades listadas em São Paulo e no Rio de Janeiro, pode atingir 10 vezes isso entre este ano e o próximo, disse Pencz. A empresa planeja se expandir para outras grandes cidades dentro e fora do Brasil.

Os fundadores ainda controlam o capital votante da Loft após a última rodada, de acordo com Pencz. A empresa levantou cerca de US$ 700 milhões em equity desde o início.

Nenhum dos dois é brasileiro, embora Hagenbuch tenha crescido no país. Pencz nasceu em Budapeste e, após a passagem pelo Goldman em Nova York, mudou-se para Londres, onde ele e Hagenbuch foram colegas de quarto. Eles trabalharam nas indústrias de private equity e hedge funds. Uma noite, fizeram um pacto, enquanto tomavam cerveja, de que quando um decidisse deixar o emprego, o outro o seguiria e eles abririam um negócio no Brasil.

“Na semana seguinte, pedi demissão e Florian achou que eu estava brincando”, disse Pencz. “Queríamos fazer isso em um mercado que parecia menos impactado pela tecnologia, mas que ainda fosse bem-vindo aos estrangeiros.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.