Mercado abrirá em 9 h 17 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,57
    +0,18 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.878,70
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    13.249,88
    +32,59 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,19
    -10,50 (-3,85%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.403,21
    -305,59 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    23.247,98
    -170,53 (-0,73%)
     
  • NASDAQ

    11.232,25
    +99,50 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7402
    +0,0058 (+0,09%)
     

Lockdowns e produção brasileira podem reverter déficit de açúcar

Isis Almeida
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Uma segunda onda de paralisações da atividade ou aumento da produção do Brasil poderiam facilmente reverter o pequeno déficit de açúcar previsto para a temporada que começa no próximo mês, segundo a S&P Global Platts.

A atual previsão indica que a produção global de açúcar deve ficar abaixo da demanda em 1,1 milhão de toneladas, com safras menores na Tailândia, Europa e Rússia, disse Patricia Luis-Manso, chefe de análise agrícola e biocombustíveis da S&P Global Platts. Mas novas ordens de quarentena poderiam reduzir ainda mais a demanda, enquanto preços mais baixos do petróleo podem levar o Brasil a produzir mais açúcar do que o esperado atualmente.

“Temos duas bandeiras baixistas bastante fortes”, disse Luis-Manso em entrevista antes da conferência virtual Platts Sugar na sexta-feira. “Ambas as bandeiras têm potencial para resolver esse déficit sem nenhum aumento significativo do preço do açúcar. É por isso que acho que esse déficit talvez seja muito pequeno para ser significativo.”

Os contratos futuros de açúcar negociados em Nova York despencaram no início deste ano, pois o novo coronavírus reduziu a demanda por alimentos e combustível. Desde então, os preços se recuperaram com a reabertura da atividade, mas, com o aumento dos casos, há o risco de que muitos países restabeleçam os lockdowns. O Reino Unido voltou a pedir que as pessoas fiquem em casa, enquanto Israel foi o primeiro país a decretar um lockdown pela segunda vez.

O consumo global de açúcar já estava em queda antes da chegada do coronavírus, pois consumidores preocupados com a saúde buscavam alternativas e fabricantes de alimentos reformulavam produtos. O coronavírus encolheu a demanda em 2,5 milhões de toneladas na última temporada e deve reduzir o consumo em outros 1,6 milhão em 2020-21, em comparação com a previsão de base anterior à Covid, de acordo com estimativas da Platts.

“Nossa visão é que a Covid e toda esta crise reforçaram as tendências existentes de crescimento mais lento do consumo”, disse Luis-Manso. “Dada a atual incerteza, o impacto em termos de PIB, e a possibilidade de outros lockdowns”, as previsões de consumo podem ser rebaixadas, disse, acrescentando que as estimativas da Platts já são conservadoras quando comparadas com as de outros analistas.

Atualmente, a previsão do Brasil é de destinar 42,5% da cana para a produção de açúcar na safra que começa em abril, estima a Platts. A proporção se compara a 45,8% neste ano, já que o consumo total de combustíveis deve crescer 6%. A recuperação dos preços do petróleo após as paralisações também impulsiona a demanda por etanol hidratado.

“Devido ao cenário atual, se o petróleo - principalmente o Brent e os preços da gasolina - estiver abaixo de nossa previsão atual, perderemos demanda de hidratado”, disse. “Teríamos espaço para aumentar nosso mix de açúcar um pouco mais perto da temporada atual e isso seria o suficiente para resolver este déficit.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.