Mercado abrirá em 3 h 5 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,57
    +0,82 (+1,37%)
     
  • OURO

    1.727,20
    -6,40 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    51.217,47
    +2.106,67 (+4,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.025,74
    +37,64 (+3,81%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.689,71
    +75,96 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.155,25
    +100,00 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Locais turísticos correm para testar americanos contra Covid-19

Andrea Navarro e Patrick Clark
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Hotéis, aeroportos e companhias aéreas do México e Caribe estão se movimentando para montar postos de testes para a Covid-19 a fim de atender às novas exigências para entrada nos EUA e preservar a demanda no setor de viagens, tão duramente atingido pela pandemia.

No México, destinos populares como Cancún montaram vários locais de teste dentro dos aeroportos para atender quem embarca para os EUA. Na terça-feira, o governo americano passou a exigir teste negativo para quem vem do exterior.

A rede Hyatt Hotels está oferecendo testes gratuitos em seus 19 resorts na América Latina, enquanto a Marriott International fornece exames em seus estabelecimentos e coordenação com postos locais.

Os requisitos dos EUA visam auxiliar a recuperação das companhias aéreas no segmento de voos internacionais, aliviando os temores de contágio pelo coronavírus. No entanto, as dificuldades na obtenção de testes podem diminuir a procura por parte de americanos que talvez enfrentem problemas na hora de voltar para casa. No México, está difícil encontrar testes, que podem custar até US$ 200 e o resultado demora dias para sair. Diante dessa situação, as empresas do setor decidiram intervir.

“Em um ambiente de queda drástica na demanda nos hotéis, tudo o que puder ser feito para tornar a viagem mais segura é uma vitória aos olhos deles”, disse Michael Bellisario, analista da Robert W. Baird. “Há muita incerteza e qualquer coisa que agilize o processo e torne a viagem mais simples e segura é útil para todas as partes.”

As novas regras exigem que os viajantes façam teste até três dias antes do embarque para os EUA e apresentem documentação por escrito do resultado negativo. São aceitos os testes de PCR e antígeno rápido. Passageiros que já tiveram a Covid-19 podem apresentar prova de recuperação no lugar do teste.

Fora de Cancún, o estado de Guanajuato (onde fica a charmosa cidade colonial de San Miguel de Allende) oferece testes no aeroporto e está trabalhando junto com hotéis para que forneçam os exames. Yucatán está fazendo o mesmo.

No caso dos hotéis, os postos de testes são encontrados principalmente nos resorts de luxo, o que dispensa os hóspedes de sair do local. Na rede Marriott, as unidades Ritz-Carlton Cancún, JW Marriott Los Cabos Beach Resort & Spa e Westin Puntacana Resort & Club, na República Dominicana, realizam testes no próprio estabelecimento, segundo uma porta-voz.

Na rede Hilton Worldwide Holdings, os exames são oferecidos no Hilton Aruba Caribbean Resort & Casino e no Conrad Punta de Mita. Outras unidades da rede dão acesso a fornecedores de testes locais.

Nos dois dias desde que a exigência entrou em vigor, a imprensa mostrou cenas caóticas no aeroporto da Cidade do México, onde muitos passageiros não sabiam que precisavam do teste. Alguns conseguiram fazer o exame rapidamente, mas outros perderam voos, de acordo com uma reportagem da Imagen TV.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.