Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.570,35
    -1.771,33 (-4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Lixeiro espacial: Agência Europeia quer limpar a órbita do planeta Terra

·1 minuto de leitura
Lixeiro espacial: Agência Europeia quer limpar a órbita do planeta Terra
Lixeiro espacial: Agência Europeia quer limpar a órbita do planeta Terra

A Agência Espacial Europeia anunciou que planeja lançar uma missão para remoção de detritos espaciais até o ano de 2025. A agência pretende se juntar com a startup suíça ClearSpace, para usar um robô experimental de quatro braços.

Inicialmente, o robô deve capturar o Vega Secondary Payload Adapter, que foi deixado para trás pelo lançador Vega, de uma missão da própria agência europeia realizada em 2013. Esse pedaço de lixo espacial tem em torno de 100 quilos e está localizado a cerca de 800 quilômetros da acima da Terra.

O robô ClearSpace-1 captura o pedaço na órbita baixa da Terra e o arrasta para a atmosfera do planeta. Na reentrada, os dois são queimados.

A órbita terrestre está repleta de objetos de diferentes tamanhos, que vão desde satélites inativos até estágios superiores de veículos de lançamento, além de outros pedaços descartados que sobram das separações. Todos esses fragmentos se movem a alguns milhares de quilômetros por hora e representam um risco sério de colisões com satélites ativos e espaçonaves em novas missões.

O contrato é o primeiro do tipo firmado pela agência europeia, que vai adquirir a tecnologia e executar a missão como um todo. Segundo os cientistas, esse é o primeiro passo para a criação de um novo setor comercial no espaço.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!