Mercado fechará em 4 h 43 min
  • BOVESPA

    129.067,46
    +639,48 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.377,63
    +206,85 (+0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,35
    +0,27 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.780,70
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    34.342,26
    +321,26 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    827,23
    +40,62 (+5,16%)
     
  • S&P500

    4.264,60
    +22,76 (+0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.092,16
    +217,92 (+0,64%)
     
  • FTSE

    7.110,83
    +36,77 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.395,00
    +132,00 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8786
    -0,0499 (-0,84%)
     

Livraria Saraiva tenta vender parte de sua operação, mas não atrai compradores

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O leilão que a rede de livrarias Saraiva abriu com o objetivo de vender parte de suas operações não atraiu nenhum comprador habilitado. O movimento era parte do acordo de recuperação judicial da empresa, que já ostentou o posto de maior varejista de livros do Brasil --hoje, a rede com mais lojas é a Leitura. A meta era angariar ao menos R$ 189 milhões com a venda de 23 lojas físicas ou R$ 150 milhões com a operação de vendas virtuais da rede. Havia ainda a possibilidade de compra casada das duas operações, mas nenhum dos preços mínimos foi atingido. O edital para possíveis compradores foi publicado há um mês e os envelopes com o resultado foram abertos na última sexta-feira. Caso houvesse mais de uma proposta ajustada aos termos do processo, os credores da empresa escolheriam a vencedora. Segundo a mais recente versão de seu plano de recuperação judicial, renegociado com os credores em fevereiro, a empresa pode abrir um novo edital alterando os termos de compra para seus ativos. Caso a ausência de compradores permaneça, o plano volta à mesa de negociação com os credores, sempre sob orientação do juiz que acompanha o processo. A história da recuperação judicial da Saraiva se estende desde novembro de 2018. Desde então, a empresa acumula déficits e demissões, agravados pela pandemia do coronavírus. No ano passado, a rede fechou metade de suas 73 livrarias, espalhadas por diversas cidades do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos