Mercado fechará em 3 h 58 min
  • BOVESPA

    119.434,00
    -130,44 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.771,68
    +371,88 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,22
    -0,41 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.813,30
    +29,00 (+1,63%)
     
  • BTC-USD

    57.149,45
    -604,68 (-1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,16
    +8,75 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.179,81
    +12,22 (+0,29%)
     
  • DOW JONES

    34.406,17
    +175,83 (+0,51%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.557,75
    +66,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3625
    -0,0644 (-1,00%)
     

Live commerce une formatos de rede social, TV e loja online para atrair clientela

CRISTIANE TEIXEIRA
·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Desde que a pandemia de Covid-19 afetou o fluxo de clientes nas lojas, comerciantes testam formas de vender a distância. A live commerce, também chamada de live streaming ou live shop, aparece entre as novidades. A plataforma une os formatos dos vídeos transmitidos ao vivo pela internet, as lives, dos canais de compra na televisão e a estrutura do comércio eletrônico para divulgar produtos, promover vendas e gerar maior interação com o consumidor. Ela é realizada em plataformas específicas preparadas para o modelo, em serviço que pode ser contratado de consultorias do setor. Em troca, elas costumam cobrar um percentual das vendas. O internauta vê na tela ao mesmo tempo o apresentador exibindo os produtos e fotos dos itens com os preços. Caso se interesse, pode tirar dúvidas via chat, adicionar o produto ao carrinho virtual e fazer o pagamento, tudo sem deixar a transmissão. A plataforma lembra a de canais de televendas como o Shoptime. Mas não é preciso ligar para comprar os itens que aparecem no vídeo. “Tudo acontece no mesmo ambiente digital: a apresentação dos produtos, o chat para esclarecer dúvidas dos consumidores e as vendas”, diz Ivan Tonet, analista de relacionamento com clientes do Sebrae. O formato, na opinião do especialista, tem potencial para deslanchar no Brasil e pode ajudar micro e pequenos negócios a sobreviver ao período de portas fechadas durante a pandemia. A live commerce tende a ter taxa de conversão de vendas superior à das transmissões ao vivo pelo Instagram ou Facebook, segundo o analista. Isso porque nas redes sociais é preciso haver uma troca de mensagens para fechar o pedido e liberar o link de pagamento. Na plataforma de live commerce, a compra é feita diretamente pelo canal, sem intermediários. Quando decidiu testar o formato, Itamar Cechetto, 48, presidente da Laces and Hair, até pensou em utilizar o site da rede de salões especializada em tratamentos para o cabelo. Mas mudou de ideia diante da infraestrutura exigida. “Apesar de termos um ecommerce sólido, não dispomos de toda a tecnologia para fazer a live e vender ao mesmo tempo”, conta. Ele procurou, então, a Mimo, plataforma de live commerce inaugurada em 2020 pelas empresárias Monique Lima, Etienne Du Jardin e Angel Vasconcelos. Coube a elas a roteirização, a filmagem, a transmissão e a integração com o sistema de ecommerce da marca. No evento de estreia, em janeiro passado, Itamar vendeu para quase 30% do público que acompanhou a transmissão. Os produtos foram apresentados por sua esposa, a cosmetóloga Cris Dios, 48, filha da fundadora da marca, e pela influenciadora digital do setor Ju Ferraz. “É uma conversão muito alta, principalmente se comparada à do comércio eletrônico, que fica entre 1% e 2%”, afirma o empresário. Em 90 minutos, ele diz ter vendido o equivalente a 25% de um dia da loja online. Cechetto repetiu a ação algumas semanas depois e percebeu que o evento trouxe mais de 80% de clientes novas, que não estavam cadastradas no salão. Segundo Monique Lima, da Mimo, são “early adopters”, mulheres que já participaram de live commerce de outras marcas e que gostam desse método de compra. A consultoria recebe de 10% a 20% do valor faturado na live. Também prepara um sistema de assinatura mensal, que permitirá agendar e realizar quantas transmissões o cliente desejar. A lista de espera da Mimo já soma 400 empresas, segundo a sócia Du Jardin. “Como hoje oferecemos uma assessoria completa, só conseguimos ter uma live por dia. Para crescer e dar autonomia aos clientes, estamos preparando um curso digitalizado completo e sem custo.” De olho no mesmo mercado que a Mimo, a 4Show tem um modelo de negócio diferente. Ela não produz roteiro e nem indica influenciadores digitais. Apenas hospeda as lives, garantindo a transmissão e a exibição dos produtos. Como a 4Show oferece um serviço de compra online, atende as marcas que não têm comércio eletrônico próprio. Rogério Nath Corrêa, fundador da 4Show, conta que a empresa nasceu em janeiro. Foi inspirada em sua experiência montando, às pressas, um live commerce para uma marca de sapatos que precisava divulgar seus lançamentos em meio à pandemia. Hoje, ele tem 50 clientes. A 4Show oferece dois modelos: a live única, para o empresário testar a ferramenta, e a assinatura, que permite 120 minutos de transmissão ao vivo por mês. O primeiro custa uma taxa mínima de R$ 299 ou um percentual de 1% a 2,5% das vendas efetuadas, o que for maior. A assinatura sai a partir de R$ 299 por mês mais 2% do faturamento dos eventos. Corrêa diz esperar que o live streaming seja tão bem-sucedido no Brasil quanto na China, pioneira no formato. Lá, as vendas nessa plataforma teriam somado 961 bilhões de iuanes (R$ 806 bilhões) em 2020, segundo estimativa da empresa chinesa iiMedia Consulting.