Mercado fechará em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    116.950,94
    +816,48 (+0,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.799,42
    +369,67 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,80
    +3,17 (+3,79%)
     
  • OURO

    1.735,00
    +33,00 (+1,94%)
     
  • BTC-USD

    20.039,08
    +640,46 (+3,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,30
    +9,87 (+2,21%)
     
  • S&P500

    3.783,00
    +104,57 (+2,84%)
     
  • DOW JONES

    30.256,41
    +765,52 (+2,60%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.640,00
    +354,25 (+3,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1348
    +0,0609 (+1,20%)
     

Lira se compromete a votar em outubro PL de modernização do setor elétrico

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), se comprometeu nesta quarta-feira a colocar em votação em outubro o projeto de lei 414, que prevê a modernização do setor elétrico brasileiro.

"O 414, eu lhe prometo que ele vem para a pauta em outubro, com texto ou sem texto", disse Lira ao deputado Danilo Forte (União-CE) durante votação da medida provisória 1118 transmitida pela internet.

Discutido há vários anos pelo Congresso, o PL 414 tem como objetivo aprimorar o modelo regulatório e comercial do setor elétrico com vistas à expansão do mercado livre de energia, permitindo que mais consumidores possam comprar o insumo diretamente com geradores e comercializadores.

Atualmente, uma pequena parcela dos cerca de 89 milhões de consumidores de energia elétrica do Brasil, como indústrias e grandes comércios, podem atuar no ambiente de contratação livre, escolhendo seu fornecedor e negociando diretamente preços e condições.

Após idas e vindas no Parlamento, a ampliação do mercado livre para um universo maior de consumidores passou a ser debatida no âmbito infralegal, após uma portaria do Ministério de Minas e Energia publicada em julho.

A proposta chegou a ser incluída como um "jabuti" no parecer do deputado Danilo Forte à MP 1118, apresentado nesta quarta-feira, o que gerou surpresa e reação contrária de agentes do setor elétrico. No fim, o trecho que tratava do tema foi excluído do texto da MP.

Em nota, a Abraceel, associação que representa os comercializadores de energia, afirmou que a abertura do mercado livre está madura e pode ocorrer com segurança jurídica e respeito aos contratos tanto pela via legal quanto infralegal.

A entidade também afirmou que, segundo estudos próprios, a abertura de mercado pode ser feita sem produzir custos aos consumidores que continuarem no mercado cativo, atendido pelas distribuidoras de energia.

(Por Letícia Fucuchima)