Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.529,34
    -61,41 (-0,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Lira promete para BC e CVM aprovação da lei das criptos ainda neste ano

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou a representantes do Banco Central e da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) que colocará em votação ainda neste ano o projeto de lei de criptomoedas.

Lira disse que o projeto, que está pronto para apreciação da Câmara desde junho, fará parte do esforço concentrado que, todo ano, delibera projetos considerados prioritários de forma expressa às vésperas do recesso de fim de ano.

BC e CVM pediram urgência após a quebra da corretora de criptos FTX, que entrou com pedido de falência na sexta (11), após investidores sacarem US$ 6 bilhões (R$ 31 bilhões) da plataforma em apenas 72 horas.

A Binance, maior corretora do gênero no mundo, era acionista da empresa, mas abandonou um acordo de resgate proposto que salvaria a FTX.

Pelo menos US$ 1 bilhão (R$ 5,3 bilhões) de fundos de clientes desapareceram da plataforma. O episódio levou as autoridades regulatórias brasileiras a pedirem urgência no PL.

Disseram que preferem ter um projeto básico para apertar na regulamentação posteriormente a não ter regras para esse mercado.

Dados do BC indicam que as corretoras de criptomoedas já movimentam o equivalente a ‘meia Bolsa’ no país.

Segundo Rodrigo Monteiro, diretor executivo da ABCripto, associação que representa as empresas do setor, a quebra da FTX chamou a atenção para a necessidade de segregação patrimonial entre os ativos das corretoras de cripto e o patrimônio investido pelos clientes.

"O projeto de lei trata exatamente desse ponto e é fundamental que ele seja aprovado para que o mercado se desenvolva de forma consistente", disse.